Sinais de depressão na adolescência

Atualmente, fala-se muito acerca da depressão e estima-se que o número de pessoas com depressão no mundo chegue a mais de 300 milhões. A doença entre os adolescentes, no entanto, é um tema que vem ganhando destaque, pois, é um grupo com grande probabilidade de ter a doença.

A adolescência é uma fase da vida complicada, na qual os indivíduos vivem várias situações diferentes para eles, sofrem com a pressão social e com alterações de humor e crises a nível emocional. Para alguns, é uma fase muito conflituosa, com períodos melhores e outros piores. Além disso, o desequilíbrio dos hormônios nesse período também pode tornar ainda mais difícil gerir as emoções próprias dessa fase.

Muitas pesquisas já foram feitas sobre este tema e podemos mencionar que não há apenas uma causa para o surgimento da depressão, pois, trata-se de uma conjugação de diversos fatores, o que engloba uma predisposição genética e o meio no qual o indivíduo possa viver. A depressão nessa fase da vida é bastante frequente exatamente por ser um período durante o qual os jovens sofrem muito com problemas de autoestima, aceitação de si e demais fatores extrínsecos.

O campo é propício para o surgimento da patologia da depressão, o que não quer dizer que todos os adolescentes terão depressão. Entretanto, é válido estarmos atentos nesse período para que certas situações não possam gerar o problema.

Assim, a doença é muito mais do que uma simples tristeza temporária ou circunstancial; sendo preciso destacar a seriedade do problema, uma vez que na adolescência não é raro que os parentes mais próximos a considerem uma dramatização ou exagero por parte do jovem que sofre da doença. 

Dessa maneira, ainda que alguns dos sinais aconteçam em todo o mundo, independentemente da faixa etária do indivíduo, é válido destacar que há sinais para estarmos atentos quando nos referimos ao problema durante a fase adolescente.

 

1. Recaída do rendimento escolar

Esse é um sinal muito específico em crianças e adolescentes que apresentam a doença, pois a mesma acarreta uma modificação da maneira e velocidade no raciocínio , o que como consequência leva a queda desse rendimento. Além disso, a quantidade de ausências nas aulas também pode elevar muito.

Assim, quando as notas caem muito, é necessário que os pais prestem atenção. É evidente que não será em todas as vezes que isso vai representar que há depressão, mas é relevante tal investigação daquilo que existe atrás destas modificações, especialmente porque as instituições escolares não têm por hábito darem a devida atenção para as problemáticas da mente que os estudantes possam ter durante a fase escolar.

 

Andre Ortolf mais rápido nas corridas de cadeiras de escritório

2. Alterações comportamentais

É muito frequente relacionar a depressão com a melancolia e a tristeza, entretanto, em algumas pessoas, as alterações no humor e comportamentais podem estar relacionadas ao um elevado mau humor acompanhado de irritação. O jovem pode apresentar-se mais mau humorado se queixar-se sobre seu sentimento de impotência.

Além desses sinais, é frequente o estado de apatia, choro excessivo, baixa autoestima, modificações no apetite e isolamento social. Em geral, é significativo estar atento a alterações muito bruscas e que anteriormente não eram frequentes na rotina do jovem.

 

3. Falta de interesse pelo futuro

Um dos sintomas mais frequentes naqueles que sofrem de depressão é o sentimento de apatia e falta de planeamentos para momentos futuros. Quando se trata de adolescentes, chega um período em que é necessária a tomada de decisões que vão impactar todo o futuro a nível profissional do adolescente, como decidir sobre qual carreira ou faculdade irá estudar. Por isso, é uma fase de muito entusiasmo, pois é o começo da formação da sua condição independente.

É muito frequente que a depressão cause impactos diretos sobre tais decisões, uma vez que o jovem se torna apático e perde o interesse pelo seu futuro e se sinta desmotivado a fazer tais escolhas por si mesmo.

Estamos a referir, de modo específico, a casos associados à carreira, mas a depressão tem a capacidade de afetar todas as esferas da vida do jovem, retirando dele a vontade de fazer tarefas, que antes lhe geravam prazer. O isolamento social, por isso, está muito associado a essa apatia gerada pela depressão.

 

4. Prazer somente na esfera virtual

O isolamento social induz à um desligamento com a realidade do mundo. Assim, o adolescente fica desinteressado em estar com amigos e família, ir a festas e para a prática de outras atividade que anteriormente lhe despertavam prazer e interesse. Assim, o jovem corre o risco de apenas conseguir obter prazer por meio da internet e tecnologias associadas.

O jovem tenderá a ficar escondido, deixando de vivenciar maiores experiências na vida. É significativo, entretanto, estar atento quando o virtual prevalecer frente a realidade, uma vez que isso pode indicar que alguma coisa anda mal.

5. Pensamento suicida e depressão na adolescência

É evidente que nem todas as situações de suicídio estão associadas a quadros deprimidos, mas a patologia quando não é tratada eleva a probabilidade do indivíduo querer tentar o suicídio. Há uma estatística de que entre jovens de 15 a 29 anos de idade, o suicídio seja a segunda causa mais relevante de morte, sendo por isso necessária a devida atenção ao problema.

Quadros depressivos muito sérios podem provocar pensamentos e falas mórbidas, pois o jovem fica sem esperança e não enxerga mais sentido na vida. Em casos mais graves, o jovem pode se mutilar, o que pode também provocar a morte.

Prevenção da doença na adolescência

  1. Psicoterapia: Assim, prevenir é a melhor forma de lidar com a doença. A psicoterapia pode ser um excelente recurso para essa fase. Independente de existir ou não esses sinais da doença, é muito indicado que os adolescentes procurem um psicólogo, pois, sempre há muitas questões para trabalhar.
  2. Diálogo: Outro aspecto importante é que a família também precisa estabelecer um canal para dialogar com o adolescente, se mostrando disponível para a conversa sempre que for preciso. Em um período de muitas complicações e modificações, o jovem necessita sentir que está num ambiente que produza nele segurança e acolhimento, com a convicção de que não será criticado sempre por aquilo que sente e por suas decisões. O receio de se abrir com os pais pode causar um distanciamento prejudicial para o relacionamento e para o adolescente.
  3. Disposição para ouvir, aconselhar e procurar auxílio sempre que for preciso: Os pais precisam estar preparados para lidar com os conflitos que surgirem na vida do jovem e não tratá-los como um problema sem solução ou um drama dessa fase. É óbvio que não é possível enxergar todas as situações de um mesma forma, entretanto, é relevante que a família esteja disponível para a escuta, aconselhamento e buscar auxílio sempre que for preciso.
  4. Atividades Físicas e boa alimentação: Também é válido destacar que praticar atividade física e ter uma alimentação adequada e saudável também irá contribuir para o equilíbrio da saúde física e mental do adolescente.
  5. Bom sono e construção de laços sociais: Boas horas de sono de qualidade e a construção de laços sociais também são extremamente relevantes para equilibrar a vida e prevenir a depressão nos adolescentes.


Mais: , , | Por: Flávia Negrini