Os 10 melhores jogadores brasileiros de futebol de todos os tempos

O Brasil produziu alguns dos jogadores mais icónicos da história do futebol a nível mundial. Desde Pelé a Garrincha e de Ronaldo a Kaká, o país tem um catálogo de estrelas quase inacreditável. Nenhum outro país se pode igualar. Apesar do grande talento da Itália, Alemanha ou Argentina como potências futebolísticas, eles não são iguais ao Brasil em termos de poder de estrela e estatuto.

Mesmo nos dias de hoje, existem crianças em todo o planeta que conhecem os nomes Zico e Sócrates. Eles podem não ter ideia de onde jogaram, ou mesmo quem eles eram, porém eles ouviram esses nomes a serem falados em termos sagrados pelos seus familiares e amigos mais velhos. As seleções do Brasil de 1958, 1970 e 1982 são amplamente mencionadas no contexto das maiores seleções do futebol de todos os tempos. Os esforços para vencer a Copa do Mundo em 1994 e 2002 também marcaram presença no radar das estrelas.

 

View this post on Instagram

A post shared by Pelé (@pele)

1. Pelé

Se ainda existem discussões quanto ao melhor jogador de futebol de todos os tempos, certamente irão durar para sempre. Porém, na comparação com os seus rivais pela homenagem, podemos dizer com certeza sem dúvida que Pelé foi o jogador mais completo que o futebol já viu.

Ele tinha a habilidade técnica de derrotar os jogadores um a um, o seu olho para um passe foi elogiado por todos aqueles com quem ele trabalhou, a sua habilidade no ar é lendária e não pode haver, claro, nenhuma discussão sobre a sua habilidade de finalização dado o seu recorde de golos.

Aos 17 anos, Pelé tornou-se o jogador mais jovem a disputar uma final da Copa do Mundo em 1958. Ele marcou seis golos no torneio sediado na Suécia, incluindo um hat-trick nas semifinais e mais dois na final. Seria o primeiro de três triunfos da Copa do Mundo. Em 1962, Garrincha carregava o manto para o seu lado enquanto Pelé se recuperava de uma lesão sofrida na fase de grupos. O Brasil, porém, saiu vitorioso mais uma vez. O torneio de 1966 não teria tanto sucesso, com Pelé mais uma vez lesionado na eliminação do Brasil na primeira fase.

Pelé foi coagido a voltar para o quarto torneio em 1970 e fez parte de uma das melhores unidades de ataque já compiladas, ao lado de Jairzinho, Rivellino e Gérson. Enquanto Jairzinho era o melhor marcador, Pelé somou mais quatro ao seu apuramento para o Mundial e, claro, conquistou a sua terceira medalha de campeão. Ele continua a ser o maior artilheiro do Brasil de todos os tempos, com 77 golos em 92 jogos. Isso é tudo, é claro, antes de passarmos para as suas façanhas no clube.

 

View this post on Instagram

A post shared by Mané Garrincha (@garrincha_king)

2. Garrincha

Ele só entrou para o clube carioca aos 20 anos, depois de ter conquistado a vaga num treino onde deu a famosa noz-moscada do defesa Nilton Santos. Foi o início de um vínculo estreito entre o par.

Garrincha tornou-se o herói do povo, com a sua coleção de truques e fintas que divertia muito as massas que o adoravam. Ele sofreu uma torção na perna direita após uma cirurgia para corrigir deformidades físicas desde o nascimento, porém isso não afetou a sua capacidade de correr em velocidade com uma bola de futebol.

As suas habilidades tomaram o palco global de assalto, com Garrincha eleito para a equipa do Torneio na Copa do Mundo de 1958, antes de ser eleito Jogador do Torneio quatro anos depois. O Brasil, é claro, venceu as duas competições. Enquanto Pelé é geralmente lembrado como o jogador mais completo de todos os tempos, Garrincha muitas vezes ofuscou o seu colega com as suas exibições atrevidas do flanco direito. Como os oponentes frequentemente comentavam, você nunca poderia dizer o que ele faria a seguir.

Com a derrota do Brasil para a Hungria na Copa do Mundo de 1966, Garrincha sofreu a sua primeira derrota internacional na sua 50ª internacionalização. Com Pelé ausente naquele dia, é facto que a Seleção nunca perdeu um jogo em que as duas estrelas participaram. Uma conquista fenomenal.

 

View this post on Instagram

A post shared by Ronaldo o Fenômeno®️ 9️⃣🔥 (@ronaldo.fenomeno_)

3. Ronaldo

Aos 21 anos, rumo ao torneio da França 98, Ronaldo já tinha marcado mais de 200 golos em quatro países, vencido uma Copa do Mundo em 1994 e duas vezes eleito Jogador do Mundo da FIFA. Nesse torneio, ele era a atração principal. O Brasil foi privado de Romário por causa de uma lesão, contudo jogadores como Bebeto, Rivaldo e Edmundo jogavam o segundo violino para o jovem carioca.

Ronaldo fechou o torneio com uma Bola de Ouro, para o melhor jogador da competição, e quatro golos em seu nome. No entanto, o torneio acabaria por deixar uma memória infeliz para o atacante, que sofreu um ataque antes da final e não conseguiu apresentar-se quando foi nomeado para a equipa titular. Já tinha conquistado o título da Copa do Mundo aos 17 anos, em 1994. No entanto, por não ter participado naquele torneio, ele ainda procurava o seu momento decisivo no maior de todos os palcos do futebol.

Esse momento chegou em 2002. Após três anos de ausência quase constante por lesão, Ronaldo voltou com força para marcar oito golos no torneio e garantir o quinto título para o seu país. Os seus dois golos ao derrotar a Alemanha na final serão lembrados como um dos momentos verdadeiramente icónicos da história do futebol, com Ronaldo a banir a sua dor pessoal pela França de 98 para garantir o seu lugar entre os grandes do futebol.

Em 2006, apesar de não ter aproveitado o melhor dos torneios num país vacilante, Ronaldo somou mais três golos na Copa do Mundo à sua conta. O seu último esforço, contra o Gana, tornou-o maior artilheiro do torneio de todos os tempos, com 15 golos marcados. No total, Ronaldo fez 98 partidas pelo Brasil, marcando 62 vezes.

 

View this post on Instagram

A post shared by Arthur Antunes Coimbra (@zico)

4. Zico

Outro membro da venerada geração de 1982, Zico começou a fazer barulho no Rio de Janeiro com o Flamengo desde muito jovem. Com apenas 18 anos, após ter sido colocado num regime para ganhar massa muscular cedo, ele ajudou a equipa nas conquistas da Copa Libertadores de 1971 e da Copa Intercontinental. Viria a ganhar sete títulos estaduais e quatro campeonatos brasileiros em duas passagens, totalizando 16 anos no clube. No total, jogou mais de 800 vezes pelo Rubro-Negro e marcou mais de 500 golos.

Para o Brasil, a história foi um pouco diferente. Tendo chegado à Seleção em 1976, Zico alternaria com Mendonça na titularidade da Copa do Mundo de 1978. Quatro anos depois, no entanto, ele foi totalmente instalado como o craque central da sua equipa. Enquanto o desafio memorável do Brasil em 1982 terminou em decepção, Zico marcou quatro vezes nas suas cinco partidas e foi eleito para a Seleção FIFA do torneio.

Como tantos dos seus colegas, Zico também tentaria o torneio de 1986, porém estava longe de estar totalmente apto, já que a sua equipa caiu para derrotar a França nas quartas-de-final. No final da sua carreira, o pequeno craque mudou-se para o Japão e foi parte integrante do desenvolvimento do futebol no país asiático. Mais tarde, ele também administraria o lado nacional do Japão. Zico era famoso pela a sua habilidade e destreza na finalização, assim como a sua entrega de bola parada. Foi a sua visão maravilhosa, porém, que o distinguiu dos seus rivais.

 

View this post on Instagram

A post shared by Doctor Socrates ✊🏽🇧🇷 (@doctorsocratesbiography)

5. Sócrates

Existia muito mais em Sócrates do que apenas habilidade futebolística, e muito foi escrito a esse respeito desde o seu triste falecimento em Dezembro de 2011. Como jogador de futebol, porém, ele foi simplesmente fenomenal.

O meio-campo foi gracioso para um homem da sua estatura física e, com excelente habilidade de passe nos dois pés, foi um excelente distribuidor de bola nas áreas centrais. É famoso por usar o passe de roda traseira, uma técnica antes raramente usada que ele empregou com grande efeito. A sua excelente rebatida de bola também o tornou uma ameaça tanto em jogo aberto quanto em lances de bola parada, um exemplo maravilhoso disso pode ser visto no seu golpe contra a URSS na Copa do Mundo de 1982.

A nível de clube, tornou-se muito associado ao Corinthians, passando seis anos de sucesso no Parque São Jorge. No entanto, adeptos da Fiorentina, Flamengo e Santos também guardam boas lembranças do ex-capitão brasileiro. Tanto dentro quanto fora do campo, Sócrates era um líder e as suas opiniões apaixonadas sobre questões fora do futebol renderam-lhe a reputação de um profundo pensador em todas as áreas da vida.

Ele iria representar o Brasil mais uma vez em 1986, onde notoriamente cobrou os seus pénaltis sem nenhuma subida. No entanto, seria o seu papel influente na seleção de 1982 que seria para sempre lembrado como o ápice da sua carreira. Sócrates disputou 60 jogos oficiais pelo seu país, tendo marcado em 22 ocasiões.

 

  •  

    View this post on Instagram

    A post shared by FUTEBOL TEÓRICO (@futelogia)

    6. Jairzinho

    A posição de Jairzinho nunca foi bem definida, como aponta Zagallo. Ele começou a carreira no Botafogo em 1959 como atacante improvisado, mudou-se para a direita, antes de amadurecer como segundo atacante.

    A nível internacional, foi uma história semelhante. Em 1966, ele foi movido para a esquerda para acomodar o companheiro de equipa, Garrincha. Em 1970, terminou como artilheiro e, embora tenha saído da direita, assumiu a posição de principal artilheiro da equipa. Em 1974, foi o flanco direito que chamou mais uma vez o atacante. Foi o torneio de 1970, porém, que consolidou o status de Jairzinho entre os grandes. Sete golos em seis jogos levaram Jairzinho a ser eleito o “Furacão da Copa”, tendo marcado em cada uma das partidas da sua equipa.

    A nível de clubes, Jairzinho fez parte de uma equipa do Botafogo que conquistou dois campeonatos estaduais na década de 1960. Mudou-se brevemente para Marselha, antes de retornar rapidamente ao Brasil com o Cruzeiro, onde conquistou o título da Copa Libertadores em 1976. Também desfrutou de passagens pela Venezuela, Bolívia e Equador no final da sua carreira. Era o seu ritmo que o diferenciava da maioria, enquanto o seu drible excelente o tornava quase impossível de desapropriar. Muitas vezes esquecido, porém, foi a sua capacidade de escolher o passe certo para encontrar um colega. Quando se reformou oficialmente pela seleção em 1982, Jairzinho tinha marcado 33 golos em 81 jogos pelo Brasil.

     

    View this post on Instagram

    A post shared by World Cup Fever ⚽ (@world_cup_fever)

    7. Romário

    Não existem dúvidas do talento de Romário como jogador de futebol. Vencedor da Bola de Ouro na Copa do Mundo de 1994, os seus cinco golos no torneio foram um fator importante no eventual quarto sucesso mundial do Brasil.

    As estatísticas da sua carreira de 55 golos em 70 jogos pela Seleção Brasileira mostram a extensão da sua importância para a Seleção durante os anos 1990. No entanto, devido a uma lesão e indisciplina, ele limitou-se a assistir a apenas duas finais de Copas do Mundo, como reserva em 1990 e como foco da equipa em 1994.

    No clube, as conquistas de Romário no futebol tornaram-no o favorito dos adeptos por três das quatro grandes equipas do Rio de Janeiro. Embora a sua afirmação de ter marcado 1000 golos na sua carreira possa ser questionável, os seus sete títulos de artilheiro do campeonato carioca não podem ser disputados, nem as suas três épocas como equivalente no campeonato brasileiro. Na Europa, Romário marcou 128 golos em 140 jogos para ajudar o PSV Eindhoven a conquistar três títulos da Eredivisie entre 1989-1992, antes de levar o Barcelona ao título da Liga espanhola de 1993-1994 com 30 golos em 33 partidas. Para somar ao triunfo na Copa do Mundo do mesmo ano, Romário também foi eleito Jogador do Ano pela FIFA em 1994. Ele tornou-se o primeiro brasileiro a ganhar o prémio após a sua concepção em 1991.

     

  • 8. Falcão

    Tricampeão do Brasileirão pelo Internacional, Falcão foi um dos principais integrantes da seleção brasileira para a Copa do Mundo de 1982, que emocionou o público global sob o comando do técnico Telê Santana. Esse lado pode não ter vencido o torneio, no entanto conquistou os corações e mentes de uma geração de fãs de futebol em todo o mundo. Falcão, atuou como meio-campo habitual de ponta a ponta no meio-campo brasileiro, marcou três vezes em cinco partidas no evento e foi considerado uma das estrelas do torneio.

    Na época, ele jogava pelo Roma, na Itália, onde o astro catarinense foi batizado de Rei de Roma pelas suas atuações impressionantes. Numa passagem de cinco anos na capital italiana, ele ajudou os Giallorossi a dois títulos da Coppa d’Italia, além de um triunfo da Série A em 1982-1983.

    O regresso ao Brasil veio em 1985, quando Falcão passou uma última época no futebol profissional com o São Paulo, antes de seguir adiante para seguir a carreira de gestor de futebol. No entanto, ainda teve tempo para uma convocação para a seleção brasileira para a Copa do Mundo de 1986 no México aos 33 anos. Recuperando-se de uma lesão, não iniciou um único jogo no torneio e reformou-se imediatamente após o Brasil sair nos quartos de final para a França.

     

    View this post on Instagram

    A post shared by Ronaldo de Assis Moreira (@ronaldinho)

    9. Ronaldinho

    Durante um período de tempo no início dos anos 2000, ele foi o melhor jogador do planeta e, em etapas, aparentemente com alguma distância. Nos seus cinco anos no Camp Nou, dois títulos da liga e uma coroa solitária na Liga dos Campeões quase parecem um retorno decepcionante para os níveis de desempenho produzidos.

    Na Copa do Mundo de 2002, ele foi o jovem adepto dos experientes talentos líderes mundiais de Ronaldo e Rivaldo. Em 2006, era ele a atração principal. Aquele torneio, porém, foi uma grande decepção para uma tão elogiada seleção brasileira. Foi jogador do ano pela FIFA em 2004 e 2005, Ronaldinho infelizmente não conseguiu manter esses padrões e, em 2011, aos 30 anos, regressou precocemente ao futebol brasileiro.

    O ritmo que uma vez aterrorizou o Real Madrid no Bernabéu pode tê-lo abandonado, já que as suas escolhas de estilo de vida cobraram o seu preço, no entanto o seu controlo rígido e olho para um passe permanecem. Em 2012, após uma ótima primeira época no Atlético Mineiro, foi eleito o Melhor Jogador do Campeonato Brasileiro pela revista Placar. Desde então, ressurgiram as chamadas para que ele aumentasse as suas 94 partidas pelo Brasil antes da Copa do Mundo de 2014 e, com o retorno de Luiz Felipe Scolari como técnico do Brasil, isso pode simplesmente acontecer.

     

  •  

    10. Gérson

    Conhecido como o “pé esquerdo de ouro”, Gérson era conhecido pela sua habilidade de passar a bola com incrível precisão. Quando era criança, ele aprendeu o ofício na praia, antes de se converter ao futsal. Começou a carreira no Flamengo, profissionalizando-se em 1959, e foi convocado para as Olimpíadas do Brasil 1960 no ano seguinte. Durante a época no clube, conquistou um torneio Rio-São Paulo e um campeonato estadual. Em 1963, porém, mudou-se para a grande equipa do Botafogo com Garrincha, Didi e Zagallo. Foi no clube que a sua carreira realmente disparou, tendo conquistado uma Copa do Brasil e dois títulos estaduais.

    Foi também nessa época que ele foi chamado para desempenhar um papel importante na Seleção Brasileira, ainda que a Copa do Mundo de 1966 tenha sido uma decepção. Em 1970, porém, tudo se encaixaria. Com Clodoaldo sentado mais a fundo, ele faria parte da linha de ataque de ouro do Brasil, que também contava com Tostão, Rivellino, Jairzinho e Pelé. As suas atuações valeram-lhe um lugar na equipa do Torneio.

     



    Mais: , , | Por: Rita Ferraz