As 10 pinturas mais famosas de Raffaello

Raffaello Sanzio da Urbino, conhecido como Raphael, foi um dos três grandes mestres da arte do Renascimento, juntamente com Michelangelo e Leonardo da Vinci. Foi um mestre a descrever de forma realista a emoção em grandes detalhes, o que deu vida às suas pinturas. Raphael é considerado o pintor ideal equilibrado e muitas das suas pinturas são consideradas pedras angulares da arte renascentista.

  •  

    1. A escola de Atenas

    Ano: 1509
    A obra-prima de Rafael, a Escola de Atenas, é um dos quatro frescos principais nas paredes do Stanze di Raffaello, no Palácio Apostólico do Vaticano. As quatro pinturas resumem a filosofia, poesia, teologia e direito. Com a Escola de Atenas a representar a Filosofia. Os críticos sugeriram que todos os grandes filósofos gregos podem ser encontrados entre os 21 pintados na pintura. No entanto, além de Platão e Aristóteles, que são colocados no centro da cena, a identidade de ninguém pode ser verificada com certeza. A Escola de Atenas é considerada “a personificação perfeita do espírito clássico do Alto Renascimento” e é a pintura mais famosa de Raffaello Sanzio da Urbino.

     

    2. Madonna Sistina

    Ano: 1512
    Madonna Sistina descreve a Madonna, a segurar o Menino Jesus e ladeada por São Sisto e Santa Bárbara. Também existem dois anjinhos alados em baixo de Maria, que talvez sejam os anjinhos mais famosos retratados em qualquer imagem. Existe tanta popularidade que existem muitas lendas sobre como Raphael as pintou e elas foram reproduzidas em tudo, desde guardanapos de mesa de papel até guarda-chuvas. Madonna Sistina é considerada uma das melhores pinturas por muitos críticos notáveis ​​e é especialmente popular na Alemanha, onde “foi aclamada como a “suprema entre as pinturas do mundo” e concedeu o epíteto de “divino”.

     

    3. Transfiguração

    Ano: 1520
    Transfiguração é a última pintura criada por Rafael. É dividida em duas partes distintas. A metade superior da pintura mostra a transfiguração de Cristo com os profetas Elias e Moisés em ambos os lados. Na parte inferior, os apóstolos tentam, sem sucesso, livrar a criança possuída de demónios. A parte superior também mostra Cristo transfigurado a livrar o menino possuído do mal. A pintura pode ser interpretada como representa o contraste entre Deus e homem. Com a parte superior pura e simétrica, e a parte inferior escura e caótica. Para Napoleão, Raphael era simplesmente o maior dos artistas italianos e A Transfiguração, o seu maior trabalho, enquanto Giorgio Vasari o chamava de “o mais belo e o mais divino” de Raphael.

     

    4. Madonna e criança com São João Batista

    Ano: 1507
    A popularidade de Rafael durante o seu tempo não se deveu às suas principais obras, mas às numerosas pequenas imagens que ele pintou de Madonna e Cristo em criança. Elas Continuam a ser muito populares até hoje e o mais famoso deles é La belle jardinière (“A Madona do Belo Jardim”). A pintura que mostra a calma como Madonna enfrentou numa pose informal com Cristo e o jovem João Batista se tornou um exemplo por excelência no trabalho de Rafael.

     

    5. O triunfo de Galatea

    Ano: 1514
    Na mitologia grega, a bela Nereid (espírito do oceano) Galatea é a filha de Poseidon. Ela teve a infelicidade de se casar com o gigante ciumento de um olho Polifemo, que mata o pastor camponês Acis ao descobrir que Galatea se apaixonou por ele. Em vez de pintar os eventos da história, Rafael pintou a cena da apoteose de Galatea (elevação ao status divino). O Triunfo de Galatea talvez não tenha paralelo na sua capacidade de evocar o espírito da antiguidade clássica e é considerado uma das melhores pinturas renascentistas.

     

  •  

    6. O retrato de Baldassare Castiglione

    Ano: 1515
    Um dos maiores retratos do Renascimento, a pintura mostra o amigo de Raphael, o diplomata e humanista Baldassare Castiglione, que é considerado um exemplo por excelência do cavalheiro do Renascimento. De acordo com o historiador de arte James Beck “O retrato de Baldassare Castiglione permanece como uma solução final para o retrato de um homem solteiro no estilo renascentista”. A pintura teve uma influência duradoura em futuros artistas, incluindo Titian, Rembrandt e Matisse.

     

    7. A disputa do Santo Sacramento

    Ano: 1510
    Junto com os frescos de Michelangelo na Capela Sistina, os frescos de Raphael no Palácio Apostólico são obras de arte por excelência do Alto Renascimento em Roma. A Stanza della Segnatura (“Sala da Assinatura”) é uma das quatro Salas de Raphael no palácio. Ele contém quatro grandes pinturas que resumem a filosofia, poesia, teologia e direito. Com a disputa do Santo Sacramento a representar a teologia. A pintura, que mostra a imagem da igreja que abrange a terra e o céu, é um dos frescos mais conhecidos pintados por Raphael.

     

    8. La Donna Velata (A mulher com o véu)

    Ano: 1515
    O famoso retrato de Raphael, La Donna Velata, destaca a incrível capacidade do artista de pintar com uma perfeição tão requintada que parece ao espetador que ele / ela está a olhar não para uma pintura, mas para a pessoa real. O vestuário da mulher na pintura mostra a atenção de Raphael aos detalhes, o que contribui para dar vida à pintura. O tema da pintura é a amante de Rafael, Margarita Luti. Pouco se sabe sobre ela e isso aumentou a fama da pintura.

     

    9. São Jorge e o dragão

    Ano: 1506
    Esta pintura que descreve a conhecida lenda de São Jorge a matar o dragão é talvez a obra mais famosa sobre o assunto. Foi uma das pinturas mais populares no Museu Imperial Hermitage na Rússia por um século e meio antes de encontrar o caminho para a Galeria Nacional de Arte em Washington DC, onde permanece como uma das principais atrações.

     

  •  

    10. O casamento da Virgem

    Ano: 1504
    Baseado na pintura sobre o mesmo tema do seu professor Pietro Perugino, O Casamento da Virgem de Rafael mostra uma cerimónia de casamento entre Maria e José. O estilo de desenvolvimento de Raphael pode ser visto através desta pintura em que ele supera o seu mestre. O templo ao fundo “é desenhado em perspectiva com um cuidado tão evidente que é maravilhoso contemplar a dificuldade dos problemas que ele se propôs a resolver”.



    Mais: , | Por: Rita Ferraz