As 10 melhores obras de Jean-Michel Basquiat

O início dos anos 1980 marcou a evolução deslumbrante do jovem prodígio de Nova Iorque, Jean Michel Basquiat. Com vinte e poucos anos, começou a impor o seu estilo urbano na cidade através de obscuros murais de grafite que acabaram por chegar a telas ou paletes de madeira. Um pioneiro do movimento underground, o seu trabalho é facilmente reconhecível graças aos seus gráficos claros, fortes temas socio-políticos e óbvio interesse pela anatomia humana. Vamos analisar alguns dos temas que inspiraram as dez obras mais memoráveis da era Basquiat.

  •  

    1. Dustheads – 1982

     

    2. Untitled skull – 1981

     

    3. Untitled skull – 1982

    Esta tela de 1,8 por 1,73 metros atingiu um recorde na Sotheyby’s New Iorque em 2017, tend sido vendida por 110,5 milhões de dólares após mais de dez minutos de licitação. A estimativa foi originalmente definida em 57 milhões de dólares.

     

    O tema morte na cabeça

    Nascido em 1960, filho de mãe puerto-riquenha e pai haitiano, Basquiat cresceu no Brooklyn e mergulhou rapidamente no mundo das artes. A sua mãe alimentou o seu apetite artístico e levava-o regularmente ao museu. Antes dos dez anos, ele era fascinado pela anatomia. Os seus primeiros trabalhos mostram um interesse bastante surpreendente pela morte, que se tornou uma parte central da sua arte ao longo da sua carreira. As suas representações não são calmas, mas instigantes. Há um traço violento óbvio que é transmitido por cores brilhantes impostas em fundos escuros e sombrios.

     

    O corpo de dentro para fora

    Quando Basquiat tinha sete anos, foi atropelado por um carro. Sabendo que teria de passar longos dias no hospital como parte da sua recuperação, a sua mãe comprou-lhe o manual médico a Anatomia de Grey. Isso não extinguiu a sua curiosidade de forma alguma. Em vez disso, permitiu uma exploração mais profunda do conceito de morte e da transição do corpo ao longo desse processo.

     

  •  

    Além de ser o “fim de tudo” para a vida humana, foi também o lado científico da morte que despertou o interesse de Basquiat. A brinar com a dicotomia do interior e do exterior, a sua arte frequentemente retrata o interior e o exterior de um rosto. Ao contrário da obra Dusthead, nas suas representações do crânio, o uso da cor por Basquiat reside principalmente no fundo e na escuridão encontrada nos rabiscos desordenados na cabeça, sendo que, denota a ideia de morte.

     

    4. Irony of a negro policeman – 1981

     

    5. Untitled (boxer) – 1982

     

    6. Hollywood Africans – 1983

     

    7. In Italian – 1983

     

    8. King Alphonso – 1983

     

    Representou a Comunidade Negra

    A cultura afro-americana e caribenha é um tema predominante na arte de Basquiat. Ele não tentou obscurecer as mensagens políticas nele contidas e orgulhosamente promoveu a sua herança crioula. As suas obras também destacam figuras lendárias da história afro-americana, como Cassius Clay (Mohamed Ali), Sugar Ray Robinson e Malcom X. Essas figuras importantes receberam uma coroa de santidade que se tornou a marca registada de Basquiat.

    Apesar do racismo que o cercava, Basquiat nunca deixou de denunciar a opressão da comunidade negra na América. A sua luta não foi em vão, já que a sua arte permaneceu culturalmente relevante quase quatro décadas depois, numa idade em que as tensões raciais são maiores do que nunca. Quer ele tenha representado heróis negros na comunidade, atletas ou músicos, as suas vidas inspiradoras inspiraram o gigante artístico que foi Jean-Michel Basquiat.

     

    9. Win $ 1’000’000, 1984

     

    Uma colaboração como nenhuma outra com Andy Warhol

    Não poderíamos falar sobre Jean-Michel Basquiat sem mencionar o seu amigo e mentor de longa data, Andy Warhol. A amizade deles foi explosiva e com a colaboração deles, temos cerca de uma centena de trabalhos. Essa parceria era incomum, pois os seus estilos e mundos eram aparentemente opostos na época. Porém é em situações como essas que nasce a verdadeira originalidade.

    Houve alguns que criticaram fortemente o seu relacionamento e até acusaram Warhol de usar o jovem Basquiat para ganhar notoriedade. A amizade deles era autêntica, contudo terminou tragicamente. Warhol faleceu em 1987 em circunstâncias misteriosas, após uma operação médica de “rotina”. Essa perda afetou profundamente Basquiat, que morreu um ano depois de uma overdose aos 27 anos. As suas criações durante o seu último ano de vida foram marcadas por melancolia e estranheza.

     

    10. Riding with death, 1988

    A pintura Riding With Death foi da última exposição de Basquiat e é uma das suas obras mais importantes. As imagens foram simplificadas para apenas duas figuras com um fundo simples. Foram-se as palavras repetidas e a energia frenética encontradas em muitas das peças anteriores de Basquiat. A pintura faz referência a obras de vários antigos mestres, mais claramente a de “Duas Alegorias da Inveja” de Leonardo da Vinci. O assunto é a morte, talvez a fazer referência ao abuso de drogas de Basquiat e o provável resultado desse estilo de vida. Ele morreu a 12 de Abril de 1988, de uma overdose de heroína.

     

  •  

    Julian Schnabel afirmou em The Radiant Child: “Ele simplesmente não tinha as ferramentas para navegar pelo mar de merda.” Annina Nosei (Christie’s, 2014) afirmou que Basquiat estava “interessado na vida, nas pessoas, na história e nas ciências. “Não existe diferença entre baixa e alta cultura. É cultura ou não é cultura ”. Basquiat capturou um tempo, um lugar e uma cultura com uma linguagem artística singularmente cativante. A sua arte e a sua personalidade combinaram para criar um fenómeno inesquecível. Os temas, a criatividade e a energia no seu trabalho ainda ressoam e cativam as pessoas hoje em dia, desde o público em geral até os maiores colecionadores de arte do mundo.



    Mais: , | Por: João Baganha