Viagens

10 vilas incríveis para visitar em Portugal

Portugal é um dos países mais perfeitos da Europa. Para começar, tem uma longa costa atlântica composta por praias brilhantes ou falésias escarpadas e bonitas. No interior, cadeias de montanhas verdejantes elevam-se dramaticamente altas o suficiente para que a neve do Inverno permaneça por perto.

  • Não importa o extremo geográfico, o céu ensolarado abençoa o cenário. Portugal também tem as fronteiras mais antigas do continente, o que significa que muitos impérios e épocas distintas deixaram a sua marca. Esses apelos históricos e ambientais podem ser vivenciados de forma única em muitas pequenas vilas encantadoras.

     

    1. Caminha

    Caminha é uma encantadora vila do Caminho de Santiago, desta vez ao longo do Ramo Costeiro do Caminho Português. Este concelho de Viana do Castelo situa-se no interior do Oceano Atlântico, na margem sul do Rio Minho, que divide o Noroeste de Portugal e o Noroeste de Espanha. Na foz do Minho, duas extensas praias formam uma península arenosa, que tem como pano de fundo uma floresta nacional de pinheiros camaridos.

    É aqui que passa o Caminho, por trilhos serenos e perfumados, até à travessia internacional de ferry. O coração de Caminha é o seu centro histórico medieval parcialmente fortificado, com o antigo castelo transformado em torre do relógio que serve de porta de entrada para a Rua Direita e para o resto do encantador centro histórico.

     

    2. Monsanto

    Outro retiro de montanha com uma estética requintada e vistas deslumbrantes é Monsanto, uma aldeia do Distrito de Castelo Branco. Ainda assim, a uma curta distância do Parque Natural da Serra da Estrela (desta vez cerca de 90 quilómetros a Noroeste), Monsanto fica apenas a metade dessa distância a Sul da Reserva Natural da Serra da Malcata, uma grande reserva florestal que é uma das poucos santuários restantes para o ameaçado lince ibérico.

    Monsanto tem sido referida como uma “Ilha no Céu”, graças ao seu conjunto de pequenas casas de pedra, com telhados vermelhos e ruas pavimentadas em granito, todas construídas de forma sinérgica com a montanha e completamente resistentes à modernização. A sua fortaleza desgastada porém estóica, construída pelos Cavaleiros Templários, vigia a aldeia. Mime-se com os pratos simples, tradicionais e acessíveis servidos em algumas tabernas pitorescas.

     

    3. Sintra

    Na periferia noroeste de Lisboa, o concelho de Sintra é outro Património Mundial da UNESCO que merece uma visita. Sintra não é apenas idílica, no entanto exala elementos de design ecléctico. Considerado o primeiro centro da arquitectura romântica europeia, a acção começou na década de 1840, quando Fernando II ergueu o Palácio da Pena a partir de um mosteiro em ruínas, inspirando-se nos estilos gótico, mourisco, egípcio e renascentista. Fernando II então cercou a sua obra-prima com um parque romântico repleto de fontes, lagos, cabanas, capelas e milhares de árvores (incluindo muitas espécies raras e exóticas).

    Isto apenas arranha a superfície da paisagem cultural. Outras estruturas proeminentes incluem o Palácio Nacional de Sintra, o Castelo dos Mouros, do século X, no topo de uma falésia, o palácio da Quinta da Regaleira (e as suas passagens subterrâneas) e o Palácio de Monserrate, de inspiração árabe. Sintra também fica no extremo leste do Parque Natural de Sintra-Cascais), que flui do Templo da Lua, no topo da montanha, até a costa atlântica, repleta de praias.

     

    4. Cascais

    Embora a menos de 20 quilómetros a sul de Sintra e 32 quilómetros a oeste de Lisboa, Cascais (pronuncia-se Kush-kyesh) ainda vive num mundo próprio. O que começou como uma humilde vila de pescadores transformou-se num resort de Verão no final do século XIX. É hoje uma das vilas mais ricas não só de Portugal contudo também de toda a Península Ibérica.

    Como resultado das elegantes mansões que margeiam tanto o escarpado porto atlântico como as ruas de paralelepípedos do centro histórico, Cascais é conhecida como a “Riviera Portuguesa”. Além disso, as suas várias pequenas praias, o clima ameno e os excepcionais restaurantes de marisco ajudam a afastar os lisboetas da capital para breves pausas durante todo o ano.

     

    5. Águeda

    Um dos eventos mais encantadores de Portugal desenrola-se em Julho, durante o festival de arte AgitÁgueda, quando cerca de 3.000 guarda-chuvas coloridos cobrem as ruas centrais de Águeda. A colagem permanece activa durante os meses escaldantes de Agosto e Setembro, oferecendo sombra aos residentes, viajantes e peregrinos. Sim, esta pequena cidade do distrito de Aveiro é também uma paragem do Caminho Português, um dos percursos mais populares da rede de peregrinação dos Caminhos de Santiago. A vila tem mais na manga em termos de expressões vibrantes. Todos os Verões, uma nova lousa de murais de rua cobre Águeda e, no Inverno, um manto de flores violetas toma conta de partes da vizinha Pateira de Fermentelos (a maior lagoa da Península Ibérica).

     

  •  

    6. Nazaré

    A Nazaré combina os encantos de uma pequena vila piscatória com a energia de um centro de surf. Situada na Costa Central de Portugal (zona designada por “Costa de Prata”), no distrito de Leiria, a Nazaré beneficia de praias longas, largas e acessíveis, emolduradas por falésias substanciais. A Praia de Nazaré, com quilómetros de extensão e ladeada por calções, é a atracção imediata, no entanto a Praia da Areeira, muito mais longa, aguarda no lado norte da península rochosa de Nazaré. No meio, os edifícios caiados de branco (cobertos com telhados vermelhos por excelência portugueses) dão à cidade de tamanho modesto um toque moderno e tradicional.

    Durante os meses de Verão, as praias ficam lotadas de turistas, no entanto nos últimos anos, o Inverno trouxe uma onda de turismo devido a algumas das maiores ondas surfáveis do mundo. Um dos melhores lugares para ver a acção é o Forte de São Miguel Arcanjo, no topo da península que divide a praia. Este também é um excelente local para obter vistas panorâmicas da região em qualquer época do ano.

     

    7. Óbidos

    Uma das aldeias medievais muradas mais bem preservadas da Europa fica apenas a meia hora de carro a sul da Nazaré, ainda no distrito de Leiria. Óbidos tem cerca de 2.000 residentes permanentes, contudo é uma das atracções culturais mais populares de Portugal (graças à sua designação de monumento nacional e ao facto de ter sido eleita uma das “Sete Maravilhas de Portugal”). O ponto de ancoragem do norte para as paredes com ameias e caminháveis é o castelo medieval, que tem raízes mouriscas do século IX subjacentes às suas muitas reconstruções e restaurações posteriores. O Castelo de Óbidos ainda se ergue orgulhosamente acima da freguesia e ainda dispõe de quartos de hotel para turistas modernos. As várias secções do aqueduto de pedra elevado e arqueado do século XVI oferecem mais vislumbres do passado.

    Situado na Península Ibérica, no extremo sudoeste da Europa, Portugal é tão encantador quanto possível. Esta nação ensolarada e relativamente amena está repleta de diversas cidades pequenas. Das costas paradisíacas às montanhas nutritivas, e desde os primeiros costumes celtas, até os dias romanos, mouros e da Reconquista, e daí em diante até a sofisticação moderna, essas nove pequenas cidades reúnem todos os requisitos para férias exóticas e encantadoras.

     

    8. Tomar

    Vamos aproveitar mais uma página do guia do Caminho Português com uma paragem na atraente vila ribeirinha de Tomar. Antiga sede da Ordem dos Cavaleiros Templários. Depois de passear pelo rio Nabão e admirar os edifícios brancos e com telhados vermelhos de ambos os lados, dirija-se às ruas de paralelepípedos e floridas do centro histórico e ao Castelo de Tomar e ao Convento de Cristo. Este Património Mundial da UNESCO é um dos mais famosos de Portugal.

    O antigo reduto dos Templários está dividido em três secções por muros de pedra (incluindo jardins bem cuidados), enquanto a igreja ostenta uma rotunda do século XII para complementar o seu imponente exterior. Todo o local foi construído por etapas entre os séculos XII e XVI, primeiro como símbolo da Reconquista e depois como farol para as culturas emergentes durante o período manuelino.

     

    9. Piódão

    Agarrada às encostas das verdejantes montanhas da Serra do Açor, esta aldeia de localização central é fácil de ignorar, contudo impossível de esquecer. Piódão está repleto de edifícios de xisto suaves (e uma igreja branca brilhante), ligados por ruas estreitas e sinuosas, dispostas como um anfiteatro e com vista para os picos verdes, pastagens e fontes calmantes. Embora Piódão, por si só, seja um local perfeito para uma escapadela tranquila na montanha, é também um acampamento base ideal para explorar o Parque Natural da Serra da Estrela.

  • A menos de uma hora de carro para Nordeste. A maior área protegida do país está repleta de trilhos pedestres gratificantes e acolhe uma estância de esqui no pico mais alto de Portugal continental, a Torre. O cume pode ser alcançado de carro e há até um restaurante e uma capela lá em cima (que complementam as vistas esperadas).

     

    10. Carvoeiro

    A história de Carvoeiro remonta ao século XVI, quando os piratas dominavam a baía. A costa íngreme era um abrigo perfeito para eles. Nos séculos seguintes, foi apenas uma pacata vila de pescadores.

    Na década de 1960, graças às suas praias espectaculares, tornou-se um dos destinos de férias mais populares de Portugal. Não é de admirar. O Carvoeiro foi construído sobre falésias rochosas, o que faz da vila um dos resorts mais bem situados de todo o país.

    Existem também muitas coisas boas para fazer no Carvoeiro. Desde caminhar pela pitoresca alameda do Carvoeiro no topo da falésia, visitar o deslumbrante Algar Seco ou finalmente fazer um passeio de barco até à Gruta de Benagil. Não faltam locais bonitos na vila do Carvoeiro.

    Deixe o seu comentário


    Ver mais: