10 perguntas frequentes sobre o coronavírus

O surto de um novo coronavírus na China e a sua disseminação para mais de uma dúzia de países apresentou aos especialistas em saúde um desafio complexo e em rápida evolução. Isso significa que há muitas incógnitas. Aqui estão algumas das perguntas pendentes que médicos, cientistas e agências de saúde estão a correr para responder.

  • Gearbest $39.99 for Lenovo E1 1.33-inch TFT Screen Sports Smartwatch Global Version promotion
  •  

    1. O que é o vírus 2019-nCoV?

    Há um novo coronavírus, com a maioria dos casos a afetar pessoas na província de Hubei, na China. Há muito mais para aprender sobre como se espalha, a sua gravidade e outros recursos associados ao 2019-nCoV, e as investigações estão em andamento. No momento, esse coronavírus é chamado de “2019 novo coronavírus” ou “2019-nCoV”.

    Surtos de uma nova infeção por coronavírus entre as pessoas são sempre uma preocupação de saúde pública. Houve casos de 2019-nCoV relatados em vários países asiáticos e outros, incluindo a Austrália. A situação está a evoluir rapidamente.

    O 2019-nCoV está intimamente relacionado ao coronavírus SARS (síndrome respiratória aguda grave) e na mesma família que o coronavírus MERS (síndrome respiratória do Oriente Médio).

     

    2. Quando é que as pessoas são contagiosas?

    Um dos momentos mais felizes que o mundo teve com o surto de SARS de 2002-2003 foi que as pessoas não eram contagiosas até desenvolverem sintomas. O mesmo é verdade para MERS. Como resultado, ficou mais fácil para as autoridades de saúde tentarem limitar a disseminação depois que identificaram um novo caso.

    Os especialistas em saúde pública que assistem a esse surto esperavam que o 2019-nCoV, que é um membro da mesma família de vírus, seguisse esse padrão. Agora eles não têm tanta certeza.

    As autoridades de saúde chinesas disseram no fim de semana que registraram casos em que a transmissão ocorreu antes que a pessoa transmissora apresentasse sintomas. Se esse é um recurso comum dessa infeção, causa sérios problemas.

    Com algumas doenças virais, como a gripe, por exemplo. As pessoas podem realmente começar a infetar outras pessoas ao seu redor um dia ou dois antes de começarem a sentir-se doentes. Isso é insidioso, porque significa que as pessoas infetadas podem ir trabalhar, andar em transportes públicos, ir à igreja ou ao cinema, etc. Sem saberem que estão emitir o novo vírus e que podem infetar outras pessoas.

     

    3. Qual é o período entre o momento em que uma pessoa é infetada e o desenvolvimento de sintomas?

    Nos últimos dias, vários artigos da China que descrevem a doença foram publicados em sites de pré-impressão (sites que partilham artigos antes de serem revistos ​​por pares ou publicados em periódicos). Num artigo publicado no bioRxiv, cientistas da província de Guangdong estimaram o período de incubação, o tempo entre a infeção e os sintomas, em média entre quatro e cinco dias, o que também ocorreu com a SARS. Há claramente uma variedade, no entanto, na segunda-feira, a OMS afirmou que as informações até o momento sugerem entre 2 a 10 dias.

    Outro artigo, publicado na sexta-feira passada no The Lancet, estimou o período de incubação num grupo de seis membros da família entre 3 a 6 dias. Essas estimativas são compatíveis e sugerem que demoram alguns dias para as pessoas começarem a sentirem-se doentes, o que explica como vários viajantes que trouxeram o vírus para outros países perceberam que estavam doentes um ou dois dias depois de chegarem em casa.

     

    4. Existem casos leves que não estão a ser detetados? Quão grande é a proporção dos casos em geral?

    A maioria das doenças tem um espectro de doenças, variando algumas vezes de infeção assintomática (livre de sintomas) a doenças e morte muito graves. No entanto algumas doenças tendem a inclinarem-se para uma extremidade do espectro.

    Com a SARS, a maioria dos casos estava gravemente doente. Embora isso fosse mau para qualquer pessoa infetada, era fácil detetar onde o vírus estava a se espalhar. Nesse surto, está a começar a parecer que há casos leves e até assintomáticos.

    A frequência com que elas ocorrem ainda não está clara. Também não se sabe se eles são capazes de transmitir o vírus ou com que frequência o fazem. Com algumas doenças, casos leves e assintomáticos não contribuem muito para se espalhar.

     

    5. Quão perigosa é esta infeção?

    Os relatórios emergentes sugerem que uma parcela bastante significativa dos casos está gravemente doente. Por exemplo, num relatório publicado pelas autoridades nacionais de saúde da China na segunda-feira, cerca de 17% do total de casos estavam gravemente doentes. Cerca de 3% dos casos confirmados tinham morrido.

    Esses são números assustadores. No entanto se os casos confirmados representam apenas uma fração do total de casos, sendo que provavelmente o fazem, isso pode realmente mudar a matemática. Até que tenhamos uma melhor compreensão do número total de casos, é prematuro tirar conclusões.

     

  •  

    6. Até que ponto o vírus já se espalhou?

    É difícil obter uma imagem clara.

    Na segunda-feira, especialistas em doenças infecciosas da Universidade de Hong Kong disseram acreditar que o vírus está a ser transmitido de pessoa para pessoa, de maneira sustentada, em todas as principais cidades da China continental.

    Epidemiologistas que usam modelagem matemática para calcular a disseminação de doenças têm observado quantos casos foram encontrados noutros países. Existem fórmulas que dão uma ideia de quantas infeções provavelmente ocorreram na China antes da exportação de um caso.

    No domingo, quando o número de casos exportados se aproximava dos 60, Neil Ferguson, do Imperial College London, estimava que já existissem cerca de 100.000 casos na China. No entanto, isso foi há dois dias.

    Ferguson disse ao STAT que está a tornar-se difícil executar esse cálculo, “dada a triagem de saída e depois a quarentena de Wuhan”, a cidade central da China onde se acredita que o surto tenha começado.

    Até o momento, cerca de 14 países e territórios fora da China continental detetaram casos, mas nenhum ainda relatou ter visto a transmissão sustentada do vírus de homem para homem.

     

    7. A China está a tomar medidas draconianas e sem precedentes para impedir que o vírus se espalhe, cortando o trânsito para cidades com milhões de pessoas. Essas medidas podem funcionar?

    Nada como isto já foi tentado antes.

    Durante o surto de SARS de 2003, a Organização Mundial da Saúde emitiu o que foi chamado de “avisos de viagem”, dizendo às pessoas em todo o mundo para não irem às cidades afetadas. Os avisos de viagem, que a OMS nunca usou desde então, foram detestados pelos locais que lutavam contra a SARS, que viram o turismo secar e as vagas em hotéis dispararam. Embora eles certamente tivessem o efeito desejado de afastar turistas, os avisos de viagem eram apenas conselhos.

    Na China, isto não é um conselho. O país está a cortar as viagens entre cidades. É possível aplicar? A economia chinesa pode sustentar isto? Grandes, grandes incógnitas agora.

    Estas medidas podem impedir a propagação da doença? Quando restrições draconianas são impostas, pessoas desesperadas tendem a usar esforços clandestinos para contorná-las. Ainda assim, a disseminação do vírus pode ocorrer numa taxa mais baixa ou mais lenta do que se as medidas não fossem implementadas.

    No final, pode resultar que estas medidas foram impostas tarde demais. A análise das sequências genéticas do coronavírus de mais de duas dúzias de casos sugere que o coronavírus está a ser transmitido de pessoa a pessoa há alguns meses, talvez tenha começando em Novembro ou no início de Dezembro.

     

    8. Houve transmissão inicial fora do mercado de frutos do mar a que as autoridades vincularam muitos dos primeiros casos?

    Agora que o coronavírus parece estar a espalhar-se efetivamente entre as pessoas, rastrear a fonte inicial tornou-se secundário à tentativa de conter o surto. Todavia, tanto por uma curiosidade científica quanto por possíveis insights sobre como evitar o próximo surto, é útil saber quando e como o vírus começou a infectar as pessoas.

    No início do surto, as autoridades locais de Wuhan disseram que a maioria dos casos iniciais estava ligada de alguma forma a um grande mercado de frutos do mar que também tinha animais vivos para carne. Isso parecia uma fonte lógica para o surto. Os coronavírus podem saltar de animais para infectar pessoas. Pensa-se que estes vírus tenham origem em morcegos, porém podem usar um intermediário à medida que amarelam os seres humanos. O surto de SARS de 2002-2003, por exemplo, foi causado por civetas das palmeiras, enquanto as infeções por MERS vêm de camelos.

    Contudo na semana passada, em algumas das primeiras análises dos casos iniciais, uma equipa de pesquisadores relatou que o primeiro paciente em Wuhan hospitalizado com pneumonia causada pelo vírus não tinha ligação com o mercado. Os sintomas do paciente também começaram uma semana antes dos casos posteriores, vinculados ao mercado.

    Isso levanta várias possibilidades: talvez o vírus estivesse a espalhar-se entre as pessoas mais cedo do que notado ou relatado pelas autoridades de saúde de Wuhan, e que um desses pacientes trouxe o vírus ao mercado. Ou, talvez houvesse um grupo de animais infetados que pudesse ter semeado o surto em diferentes locais.

     

    9. O que deve fazer se entrar em contacto com uma pessoa com coronavírus?

    Se você foi identificado como um contacto de uma pessoa com infecção confirmada por coronavírus, a unidade de saúde pública local entrará em contacto consigo com orientação. Esse conselho incluirá que você precisa se isolar em casa por 14 dias após o contacto com a pessoa infetada, além de monitorizar a sua saúde e relatar quaisquer sintomas.

    A disseminação de coronavírus de pessoa para pessoa geralmente ocorre entre pessoas que estão em contacto próximo. Um contacto próximo é alguém que fica cara a cara por pelo menos 15 minutos ou fica no mesmo espaço fechado por pelo menos 2 horas, com uma pessoa infecciosa. Os contactos próximos de pessoas com coronavírus confirmados serão monitorizados de perto pelas unidades de saúde pública para o desenvolvimento de quaisquer sintomas e devem ligar para a unidade de saúde pública para relatar quaisquer sintomas.

    Se o seu contacto com a pessoa foi menor do que isso, existe um risco muito menor de você ser infetado. No entanto, como precaução, você ainda deve monitorizar a sua saúde até 14 dias após a última vez que foi exposto à pessoa infetada. Se você desenvolver sintomas como febre e sinais respiratórios, ligue com antecedência para falar com um médico. Informe o seu médico que você já teve contacto com alguém com coronavírus. departamento de emergência, se assim for, ligue com antecedência antes de comparecer.

    Pratique uma higiene simples:

    Certifique-se de limpar bem as mãos por pelo menos 20 segundos com água e sabão, ou esfregue as mãos à base de álcool;
    Cubra o nariz e a boca ao tossir e espirrar com tecido ou cotovelo flexionado;
    Evite contacto próximo com qualquer pessoa com sintomas de gripes ou resfriados.

     

  •  

    10. Como é que coronavírus é evitado?

    É provável que as medidas gerais de prevenção usadas para outras infeções por coronavírus também previnam a infeção com 2019-nCoV.

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas para reduzir o risco geral de infecções respiratórias agudas ao viajar nas áreas afetadas ou por:

    Evitar contacto próximo com pessoas que sofrem de infeções respiratórias agudas;
    Lavagem frequente das mãos, principalmente após contacto direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;
    Evitar contacto próximo com animais vivos ou mortos de uma quinta ou animais selvagens;
    Pessoas com sintomas de infeção respiratória aguda devem praticar a etiqueta da tosse (mantenha-se afastado de outras pessoas);
    Cubra a tosse e espirre com roupas ou tecidos descartáveis ​​e lave as mãos com sabão e água corrente por pelo menos 20 segundos).

    Quem viajar para a China deve evitar visitar os mercados de aves e animais vivos, incluindo os mercados “húmidos”. Atualmente, não existe nenhuma vacina para prevenir infeções por 2019-nCoV.

     

    Nota: Este artigo é apenas informativo, em qualquer caso de dúvida consulte o seu médico.



    Mais: , | Por: Sandra Melo