10 momentos marcantes na carreira de Ricardo Quaresma

O futebol português tem uma rica história de talentos ofensivos sublimes. Das grandes façanhas de Eusébio à estrela do Barcelona que se tornou ícone do Galáctico Luís Figo, Portugal é uma nação que tem sido abençoada com jogadores de calibre de tirar o fôlego ao longo dos anos. A sua habilidade tem imbuído adeptos em toda a península e levou a muitas comparações nada invejáveis ​​para os seus produtos futuros.

  • Gearbest $39.99 for Lenovo E1 1.33-inch TFT Screen Sports Smartwatch Global Version promotion
  • Depois de 2000, duas estrelas em ascensão foram sobrecarregadas por esse peso de expectativa. Depois de serem anunciados como o próximo Figo, esses adolescentes estavam a virar a cabeça com o seu ritmo alucinante. Ambos os alas, foram sem dúvida os talentos mais emocionantes que a famosa academia do Sporting Clube de Portugal produziu em anos. Os seus nomes eram Cristiano Ronaldo e Ricardo Quaresma.

     

    View this post on Instagram

    O início…@vitoriasc_oficial 🙂

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    1. A formação Quaresma

    Quaresma, é um ano e meio mais velho que Ronaldo, foi amplamente considerado o mais naturalmente dotado da dupla. Nascido e criado na capital do país, Quaresma foi carinhosamente apelidado de O Cigano devido à descendência cigana da sua mãe. Ele e Ronaldo formaram um forte vínculo dentro e fora do campo com um estilo de jogo semelhante e uma educação conturbada. Com as carreiras de ambos os jogadores aparentemente destinadas a se encaixarem no caminho para a grandeza, é peculiar saber que eles seguiram a trilhar caminhos totalmente opostos.

    O primeiro gosto do futebol profissional de Quaresma foi-lhe dado pela lenda do Sporting e treinador da equipa B, Vítor Damas. Tendo subido nas categorias de base aos 14 anos de idade, o atacante deslumbrou com toda a arrogância e pompa a que os adeptos se habituaram ao longo dos anos. Damas, ex. guarda-redes do clube, com nada menos que 332 internacionalizações, viu o potencial inexplorado do jovem e imediatamente deu-lhe licença para andar. A sua fé provou que estava bem colocada quando, após apenas 15 jogos, Quaresma foi convocado para a primeira formação.

     

    View this post on Instagram

    Teinar, treinar, treinar. 💪💪💪

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    2. A estreia na Primeira Liga

    Ostensivamente preciso no tempo para se aclimatar ao nível de jogo, foi uma agradável surpresa ver o ala a se estabelecer como um membro integral da equipa na sua primeira época de ação na Primeira Liga. A sua habilidade de cortar qualquer um dos flancos e atirar ou cruzar com o tipo de curva que só tinha sido visto anteriormente de nomes como David Beckham o tornou um sucesso instantâneo. Marcando cinco golos na sua campanha inaugural, ajudou o Sporting a garantir uma ilustre dobradinha na liga e na taça.

    Os 2 anos seguintes viram a estrela a continuar a sua ascensão meteórica. O seu comportamento indiferente, mas ágil, só foi atenuado pelo seu temperamento, que às vezes começava a manchar algumas exibições. Enquanto as ações de Quaresma e Ronaldo dispararam, o Sporting dispensou-o e logo se tornou inviável para a equipa de Lisboa reter os serviços dos seus filhos pródigos.

     

    View this post on Instagram

    Limits exist only in the mind @giannikavanagh

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    3. A transferência para o Barcelona

    Com uma transferência de cerca de 6 milhões de euros acordada, o corajoso jovem de 19 anos mudou-se para um dos maiores estabelecimentos do desporto mundial, o FC. Barcelona. Num verão que também viu a saída de Ronaldo para o Manchester United, os dois jovens pareciam estar no caminho certo para atingir o nível de elite que a sua aptidão prometia proporcionar. Infelizmente, enquanto os traumas de infância de Ronaldo agiam como um arauto de motivação, Quaresma ajudou a moldar o catalisador para a sua auto-destruição.

    O jogador ingressou no Blaugrana num momento de mudança, com o recém-eleito presidente do clube, Joan Laporta, tentou ajudar na ascensão catalã após um período de declínio. Seguindo o conselho do ícone do clube Johan Cruyff, Frank Rijkaard foi nomeado técnico junto com uma infinidade de novas contratações.

    A chegada de Quaresma passou um pouco fora do radar quando o famoso recruta Ronaldinho roubou as manchetes. Tendo sido comprado por 27 milhões de euros do Paris Saint-Germain após a sua vitória na Copa do Mundo no verão, todos os olhos estavam fixos na maravilha dos dentes salientes. Porém um novo contrato, perfil social rapidamente acelerado e até mesmo uma participação especial no famoso anúncio Olé da Nike, tudo apareceu muito cedo para Quaresma lidar.

     

    View this post on Instagram

    100% em forma 💪

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    4. A sua técnica

    Rijkaard tentou incutir a sua visão tática em Quaresma, dando-lhe um curso intensivo no jogo posicional. Tal como os seus treinadores no Sporting, Rijkaard percebeu o impressionante potencial na ponta dos dedos, no entanto sentiu que, para o aproveitar ao máximo, o extremo tem de aprender a ser taticamente disciplinado.

    Adotando uma atitude semelhante à de uma criança petulante, o relacionamento entre jogador e treinador azedou rapidamente quando os “brinquedos” de Quaresma caíram do carrinho. Desinteressado em saber como e onde jogar, o seu discurso polémico à imprensa encapsulou a frustração reprimida dos extremos: “No Sporting tive sempre um papel livre e fui trazido para o Barça sob o pretexto de que me era permitido jogar da mesma maneira. ” Ele continuou: “Não tive as oportunidades nem tenho a confiança do treinador”.

    Quaresma desconsiderou o treino do seu treinador, considerando-o condescendente em vez de uma busca por auto-aperfeiçoamento. Esta não foi a última vez que ele gerou conflito com a hierarquia dos seus empregadores, o que se tornou uma tendência muito familiar. Depois de se recusar a jogar novamente pelo Rijkaard, ele foi rapidamente vendido de volta ao seu país natal, Portugal, desta vez para o FC Porto junto com € 15 milhões em troca dos serviços do craque Deco.

    Foi aqui que Quaresma passou os quatro anos seguintes da sua carreira e começou a reacender o tipo de forma que outrora o considerara o próximo salvador de Portugal. Numa segunda passagem pela sua terra natal, ele marcou 30 golos e ajudou os Dragões a conquistar três títulos consecutivos. Ele também aprimorou uma habilidade que mais tarde se tornaria a sua marca registrada: a trivela.

     

    View this post on Instagram

    Parece que foi ontem. Um país inteiro unido contra tudo e contra todos. A conversa do costume por parte dos nossos adversários…que Portugal não chegava lá, que no final a sorte não ia sorrir…enfim o costume. Sofremos até ao fim, mas desta vez a taça foi nossa, de todos, e em toda a parte do mundo onde batia o coração de um português. Parece que foi ontem, muita coisa mudou mas a verdade é que continuamos a ser campeões. E hoje, mais do que nunca, se os nossos adversários nos disserem que não somos capazes, que não chegamos lá, lembrem-se. Trabalhar, acreditar, levantar sempre a cabeça e olhos postos no futuro. É lá que se joga o futuro dos nossos filhos. SOMOS CAMPEÕES HOJE E SEMPRE!

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    5. Quaresma na seleção

    A forma de Quaresma atingiu o ápice nos seus últimos dois anos, quando ele conquistou uma posição regular como titular da seleção. A sua forma excepcional deveu-se em grande parte ao treinador Jesualdo Ferreira. O técnico do Porto citou a importância de não colocar muita pressão tática no jogador, agora com 22 anos, permitiu que Quaresma se expressasse. “Não quero que ele perca a sua personalidade e individualidade, caso contrário, ele tornar-se-á um jogador comum, em vez do gênio que é.” Afirmou Jesualdo Ferreira.

     

  •  

    View this post on Instagram

    Obrigado pelo desenho @desenhartt_ 👏

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    6. O prémio “Bidão de Ouro”

    Não demorou muito para que ele estivesse a atrair uma série de pretendentes em potencial e, o recém-saído do seu próprio nome nos livros de história com o Chelsea, José Mourinho foi o homem a oferecer a Quaresma uma hipótese de redenção de um grande clube com a Internazionale. Uma taxa de € 18 milhões foi acordada e o jovem foi mais uma vez colocado no centro das atenções.

    De uma forma frustrante, a sua passagem pelo Inter foi quase perfeita com a passagem pelo Barcelona. Começando com dificuldades sistemáticas de compreensão das táticas arregimentadas de Mourinho, outro choque nas ideologias do futebol deixou Quaresma bem abaixo na hierarquia. Num ano em que o ex-companheiro de equipa Cristiano Ronaldo conquistou a sua primeira Bola de ouro, Quaresma foi embaraçosamente apresentado com o “Bidão de Ouro”: um prémio concedido ao pior jogador da Série A.

     

    View this post on Instagram

    💪

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    7. O regresso a Itália

    Seguiu-se inevitavelmente um feitiço de empréstimo, desta vez para o antigo empregador de Londres e Mourinho, o Chelsea. O lateral parecia entusiasmado com a perspetiva de se juntar ao ex-mentor da seleção, Luiz Felipe Scolari, no entanto não foi o que aconteceu. Scolari foi dispensado das suas funções a favor de Guus Hiddink apenas uma semana após a chegada de Quaresma e, quatro jogos lamentáveis ​​depois, outra campanha tórrida foi encerrada.

    De volta à Itália, depois que o Inter falhou nas suas tentativas de se livrar do virtuoso problemático, ele parecia pouco disposto a adaptar o seu jogo de acordo com a mentalidade defensiva de Mourinho. Usado com moderação numa época em que os nerazzurri conquistaram a Europa, ganhou uma tripla sem precedentes, o nome de Quaresma na lista dos prodígios esquecidos parecia ter sido esculpido em pedra.

     

    View this post on Instagram

    Sempre com os olhos nela ⚽️ e a pontaria afinada 🥅

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    8. A sua passagem pela Turquia

    Deixou o Inter no Verão de 2010 para a Equipa turca do Beşiktaş. Depois de dois anos totalmente desanimadores na Lombardia, manteve-se fiel à montanha-russa da sua carreira e deu início ao seu último surto. Num primeiro ano, o médio português marcou 11 golos, cada um mais sensacional que o anterior. Ajudou o seu novo clube na final da Copa da Turquia, onde marcou o primeiro golo e, posteriormente, foi eleito o melhor em campo, com o Beşiktaş a vencer por 4 a 3 nos penaltis.

    A próxima época começou de maneira semelhante. Ao usar cada grama de sua astúcia e criatividade, Quaresma deixava os defensores e adeptos estupefactos enquanto tentava superar os desafios antes de começar o seu ataque ao golo adversário. A previsibilidade egoísta demonstrada no Inter e no Chelsea parecia muito diferente do rejuvenescido, incalculável e experiente comerciante de velocidade que os adeptos do Sporting recordavam com tanto carinho.

     

    View this post on Instagram

    Big things coming soon! @giannikavanagh

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    9. O seu temperamento

    Não era para durar, no entanto. No jogo dos oitavos-de-final do Beşiktaş, na Europa League, contra o Atlético Madrid, Quaresma foi eliminado ao intervalo. Perdendo por 1 a 0, foi incapaz de controlar a sua raiva interior, ao quebrar num veemente discurso do treinador Carlos Carvahal “inútil” antes de supostamente atirar uma garrafa de água na sua direção.

    As cenas feias deixaram a relação entre jogador e treinador em frangalhos e, pela terceira vez em pouco mais de oito anos, Quaresma viu-se a desentender-se com o seu chefe. Nessa ocasião, o conselho mostrou a sua tolice e optou por ficar do lado do seu astro, já que Carvahal foi devidamente dispensado.

    O verão trouxe a gota de água para o talento despreocupado. A sua atitude tóxica foi envenenando lentamente o resto da equipa, algo que não agradou ao presidente. Disseram-lhe que poderia ficar se concordasse com um corte de pagamento. Ele recusou. O que se seguiu foi nada mais nada menos do que guerra.

    Desde ser acusado de urinar no balneário por dirigentes do clube até à sua prisão por agredir um polícia ao perseguir um indivíduo que se acreditava ter assaltado a sua mãe, o tempo de Quaresma no clube chegou ao fim. Com a sua queda em desgraça tendo agora atingido o fundo do poço, ele foi lançado em desgraça.

     

  •  

    View this post on Instagram

    Tenho muito orgulho nesta camisola. Representa o esforço, dedicação e respeito que sempre coloquei em campo para dar alegrias a toda a nação portista. Quem a veste não pode querer dar menos do que o seu máximo. Obrigado por todo o carinho que sempre me deram. A entrevista passa em breve no @porto.canal

    A post shared by Ricardo Quaresma (@ricardoquaresmaoficial) on

    10. O regresso ao FC Porto

    Depois de um período drasticamente fraco no Oriente Médio com o Al Ahli seguido por sete meses no deserto de agente livre, Quaresma voltou para casa para o Porto e foi apresentado com a camisola número 7 diante de 10.000 adeptos. Talvez fosse apropriado, então, que o clube que lhe deu o trampolim original para colocar o início da sua carreira de volta aos trilhos ao jogador de 30 anos mais uma hipótese de renascer.



    Mais: , | Por: Sandra Melo