10 melhores pilotos de Formula 1 com mais corridas iniciadas

1. Rubens Barrichello

322 corridas iniciadas

Nenhum piloto iniciou mais partidas de Grand Prix que Rubens Barrichello, este brasileiro é um dos melhores pilotos, mas nunca conquistou o título mundial. Competiu em todas as temporadas de 1993 a 2011, 19 no total.

Rubens conseguiu iniciou-se na Formula 1 em 1993 para a equipa Jordan, onde Rubinho permaneceria até 1996 e naquela época ele mostrou o seu talento especial. O desempenho de destaque foi provavelmente a pole surpresa do brasileiro no Spa em 1994, uma corrida da qual ele acabou por sair, no entanto o sucesso viria mais tarde.

A Stewart GP levou-o para 1997 e a equipa de Jackie Stewart subiu rapidamente, conquistando a sua primeira vitória com Johnny Herbert no Nürburgring em 1999. A vitória ainda escapou de Rubens, mas a mudança para a Ferrari para o novo milénio deu a Barrichello a oportunidade de reivindicam o primeiro lugar, e ele fê-lo em Hockenheim em 2000, apesar de ter começado em 18º na grelha .

A Ferrari se tornaria incontrolável nos anos seguintes, mas ser o piloto número 2 na Scuderia significava que Rubinho não tinha chances de vencer o campeonato de pilotos. Isso foi exemplificado na Áustria em 2002, quando ele foi forçado a entregar a vitória para Schumacher, apesar do alemão ter uma vantagem de 21 pontos na classificação.

A sua mudança para a Honda em 2007 não lhe trouxe nenhum sucesso, mas a equipa Brawn rebatizada viu Barrichello vencer a sua última corrida no desporto na Itália em 2009, 16 anos depois de sua estreia. Williams foi a equipa final de Rubens, mudando-se para 2010 e deixar o desporto depois de 2011 devido à falta de apoio financeiro. O recorde de maior número de partidas pode ir depois de 2020, mas Barrichello sempre será lembrado por ser um verdadeiro cavaleiro do automobilismo.

 

2. Fernando Alonso

312 corridas iniciadas

Dizer que um campeão mundial duplo deveria ter alcançado mais pode parecer exagero, mas na verdade não é. Fernando Alonso não é apenas um dos pilotos mais rápidos da história da Fórmula 1, mas do automobilismo em geral e tem uma hipótese real de se tornar apenas o segundo homem a alcançar a tripla coroa.

Alonso começou a sua carreira na Minardi em 2001, tornando-se o terceiro piloto mais jovem a competir no desporto com apenas 19 anos. A equipa italiana normalmente andava por trás da grade para a campanha, mas o talento do espanhol era óbvio e ele foi promovido para a Renault como piloto de testes em 2002, antes de se tornar um piloto de tempo integral no ano seguinte. 2003 trouxe a primeira pole, o pódio e vitória de Alonso, o homem mais jovem a alcançar estes três prémios na época.

A Renault tornaria-se desafiante ao título em 2005 e Alonso era o candidato ao título, vencendo o campeonato do piloto graças à sua excelente consistência. 2006 traria sucesso semelhante para Fernando, desta vez batendo Michael Schumacher numa tremenda sucata de longa temporada.

2007 seria o começo do declínio de Alonso na classificação, quando ele se mudou para a McLaren em 2007 e azedou o seu relacionamento com a equipa e perdeu o título para Kimi Raikkonen.

Alonso voltou à Renault em 2008, mas a equipa não era a força que já foi e Fernando saltou de navio para a Ferrari.

No seu primeiro ano com a Ferrari, 2010 e 2012, ambos trariam desafios ao título, mas em ambos os anos ele perderia para Red Bull de Vettel e seria a última vez que Alonso chegaria perto de um terceiro campeonato.

Fernando fez um retorno surpresa para a McLaren em 2015, mas a equipa Woking lutou muito com os seus motores “GP2” da Honda por três temporadas. Alonso mostrou que ainda tinha talento, produzindo alguns impulsos épicos ao longo do caminho, mas a sua máquina dececionou-o uma e outra vez.

2018 parecia que os carros de não poderiam encontrar o caminho para o pódio mais uma vez, mas a primeira corrida na Austrália lisonjeada para enganar e a McLaren lentamente deslizou para baixo a ordem de pecking e Fernando deixou o desporto, provavelmente para bem.

 

3. Michael Schumacher

306 corridas iniciadas

Quem teria adivinhado que a prisão de Bertrand Gachot abriria caminho para a carreira de maior sucesso na Fórmula 1?

Michael Schumacher começou a sua carreira no Grand Prix como substituto de Gachot na Jordan para o Grande Prémio da Bélgica e imediatamente impressionou a todos ao se qualificar em sétimo, apesar de nunca ter conduzido um F1 antes.

Schumacher foi trazido de volta à terra por uma falha de embreagem no colo da abertura, mas as sementes foram plantadas para uma promoção imediata. A Benetton contratou Schumacher para a próxima corrida na Itália, onde o alemão marcará os seus primeiros pontos, terminando à frente do seu triplo companheiro de equipa Nelson Piquet. Schumacher conquistaria o seu primeiro recorde de 91 vitórias na Formula 1, em 1992, e mais sucesso viria para breve.

A proibição das ajudas eletrónicas provou ser crucial para impulsionar a Benetton na vanguarda do desporto em 1994, colocando Schumacher numa luta pelo título com Damon Hill. Michael ficou no topo neste recado, apesar de ter perdido quatro corridas por meio de proibições e desqualificações, e tornou-se o primeiro campeão mundial alemão no processo.

1995 foi mais do mesmo, outra luta de Hill-Schumacher que o último ganhou, mas 1996 forneceria um desafio muito diferente para o der Kaiser.

Michael mudou-se para a equipa Ferrari em 1996 e começou a transformá-los numa equipe de ponta, conquistando o seu terceiro título no ano 2000. Aquela conquista do título abriu as comportas, por assim dizer, já que Schumacher reescreveria todos os discos da Ferrari. Em 2004, o ano do seu sétimo campeonato mundial sem precedentes.

Schumacher retirou-se depois de 2006, mas voltaria ao desporto em 2010 para um último hurra com a Mercedes. Apesar de apenas terminar no pódio uma vez, ele estabeleceu as bases para a dominação Silver Arrows da Formula 1, que ecoa o seu próprio sucesso na Ferrari.

 

  • 4. Jenson Button

    306 corridas iniciadas

    Button fez a sua estreia na F1 com a Williams aos 20 anos de idade no ano 2000, um dos homens mais jovens a tê-lo feito na época.

    Desfrutou de uma sólida campanha de abertura, terminando regularmente nos pontos numa época em que a McLaren e a Ferrari eram intocáveis ​​e apenas o top 6 marcou. Apesar disso, o britânico foi transferido para a Benetton em 2001 para dar lugar ao campeão da IndyCar, Juan Pablo Montoya. Essa foi uma ação desastrosa para Jenson, já que a Benetton produziu um carro horrível para 2001 e não melhorou muito depois da nova marca da Renault para 2002.

    Button mudou-se para a BAR Honda em 2003, uma mudança que pagaria dividendos um ano depois, quando a BAR entrou em ação e teve um dos carros mais rápidos da rede. Em 2004 viu o primeiro pódio de Button na Malásia e outros nove seguiram essa temporada, mas a vitória continuou a iludi-lo.

    Levou um total de 113 corridas para Button ficar no pódio, um thriller seco / molhado no Hungaroring em 2006, proporcionando-lhe a oportunidade de mostrar os seus talentos incríveis num tempo inclemente.

    Esta vitória provou ser um falso alvorecer para a Honda, consistentemente a correr na parte de trás do pacote para 2007 e 2008, algo que viu a fabricante japonesa deixar a Fórmula 1 em 2009.

    Button estava agora sem carro, até que Ross Brawn fundou a sua própria equipa antes da nova temporada, a Brawn GP. Isso provou ser o catalisador para Jenson ascender à grandeza, como Brawn teve o carro mais rápido da série, graças a uma mudança nos regulamentos.

    Seis vitórias nas primeiras sete corridas renderam a Button uma vantagem de 26 pontos (quando foram 10 para uma vitória), uma liderança que se mostrou insuperável, apesar da falta de desenvolvimento da Brawn durante o restante da temporada.

    Button venceu o campeonato de pilotos depois do Brasil, consistentemente marcando pontos sólidos durante a campanha mostrou-se crítico. 2010 foi a mudança final da equipa de Button, mudando-se para a McLaren para fazer parceria com Hamilton. Apesar de ter enfrentado um dos melhores pilotos da história do desporto, Button superou Hamilton durante o seu tempo como companheiros de equipa.

    No entanto, Jenson não iria desafiar o título novamente, o mais próximo que ele viu foi um segundo lugar em 2011, apesar de ter uma lacuna enorme para Vettel. A sua vitória final foi no Brasil em 2012 e o pódio final chegou na Austrália 2014 antes de a McLaren despencar para o status de backmarker para 2015.

    Retirou-se no final de 2016, mas fez uma aparição no Mónaco 2017, quando foi substituído por Alonso, mas quanto menos falou sobre a sua corrida, a melhor para Button.

     

    5. Kimi Raikkonen

    292 Corridas iniciadas

    Kimi Raikkonen será o piloto mais experiente da F1 em 2019, após o retiro de outro campeão mundial.

    O Iceman pode ter tido um hiato induzido pela Ferrari entre 2010 e 2011, mas já competiu em 16 temporadas completas de Grandes Prémios e é contratado pela Sauber até 2020. Se Raikkonen cumprir o seu contrato e tivermos mais 21 temporadas de corrida, ele irá liderar esta lista com 334 corridas.

    Raikkonen fará a sua segunda passagem pela Sauber, depois de iniciar a sua carreira na equipa suíça desde 2001. Apesar de ser muito inexperiente em monolugares, ele acendeu o mundo da Formula 1 e garantiu uma transferência para a McLaren em 2002. Em 2003 e 2005 viu Raikkonen desafiar o título com a McLaren, mas ficou aquém nas duas ocasiões, mas uma mudança para a Ferrari mudou tudo isso.

    Apesar de estar 17 pontos atrás, com apenas 20 para jogar no final de 2007, Raikkonen podia se ter tornado o campeão mundial naquele ano graças a seis vitórias e uma excelente corrida no final da temporada.

    Kimi nunca alcançaria essas alturas novamente e seria forçado a sair da Ferrari e do desporto no final de 2009 a favor de Alonso. Dois anos depois em ralis e o Iceman estava pronto para um retorno em 2012 com a Lotus, vencendo pela primeira vez desde seu retorno em Abu Dhabi e vencendo a primeira corrida de 2013 na Austrália.

    Lotus cairia em turbulência financeira, que viu Raikkonen deixar a equipa para 2014 e voltar para a Ferrari, de todas as equipas. Não havia sangue mau no relacionamento, porém, e Raikkonen faria parceria com Sebastian Vettel enquanto os carros vermelhos tentavam derrubar a Mercedes.

    2018 foi sem dúvida um dos melhores anos de Raikkonen, sendo extremamente consistente e acumulando 12 pódios e sua primeira vitória desde 2013 no Circuito das Américas. Raikkonen também está em segundo lugar na lista de todos os tempos de cronómetros de volta mais rápidos e o que quer que aconteça durante os seus últimos dois anos, ele vai se retirar sendo uma lenda da Formula 1.

     

     

    6. Felipe Massa

    269 corridas iniciadas

    15 temporadas completas de corridas de F1 colocam Felipe Massa em sexto lugar na lista de todos os tempos dos fabricantes de F1. Massa entrou na Fórmula 1 em 2002 com a equipa Sauber e imediatamente impressionou a Ferrari, tanto que o brasileiro passou a próxima temporada como piloto de testes na Scuderia.

    2004 e 2005 foram anos medianos para Massa, quando voltou para conduzir pela Sauber, no entanto não conseguiu chegar ao pódio, apesar de ter conseguido dois quartos, sem nenhuma façanha naquele carro.

    Em 2006, Massa correu para a Ferrari ao lado de Schumacher, um ano em que ele conseguiria a sua primeira vitória na Turquia e também venceria a corrida caseira na última ronda do Brasil. No ano seguinte, trouxe Kimi Raikkonen para a equipa, e embora Massa fosse sólido, ele não conseguia chegar a um desafio ao título. Isso foi até 2008.

    Felipe conseguiu seis vitórias impressionantes naquele ano, quando empatou com Hamilton para o título e parecia tê-lo conquistado no Brasil até que uma última ultrapassagem de Hamilton viu o britânico vencer seu primeiro campeonato mundial.

    Isso parecia ser um azar, mas é um milagre que Massa tenha continuado na F1 após o seu acidente aterrador com uma primavera na Hungria em 2009. Isso fez Massa ficar de lado durante o resto do ano, retornou em 2010 ao parceiro Alonso.

    Na verdade, Massa nunca mais foi o mesmo piloto após o seu acidente, nunca retornando ao degrau mais alto do pódio, apesar de conduzir alguns carros vencedores. Permaneceu na Ferrari até 2013, quando se juntou à sua equipa final na F1, Williams.

    Massa tinha boas hipóteses de vencer, já que a equipa desfrutava de um renascimento sob novas regras, mas a Mercedes era muito boa. Em 2016 Massa anunciou o seu retiro, mas surpreendentemente voltou para 2017, já que a Williams precisava de um piloto experiente para fazer parceria com Lance Stroll.

     

    7. Riccardo Patrese

    256 corridas iniciadas

    O terceiro e último italiano da lista é o homem que detinha o recorde de maior número de saídas na melhor parte das duas décadas. Riccardo Patrese conseguiu a sua F1 com Shadow após a morte trágica de Tom Pryce na África do Sul e conseguiu o seu primeiro pódio no ano seguinte na Suécia depois de se mudar para Arrows.

    Ficou com Arrows até ao final de 1981, chegando ao pódio no caminho, mas Brabham chegou em 1982. A equipa de Bernie Ecclestone tinha acabado de ganhar o campeonato de pilotos com Nelson Piquet em 1981, e Patrese aproveitou a oportunidade imediatamente. conquistando a sua primeira vitória durante um extremamente grande Monaco Grand Prix em 1982. O Brabham foi rápido, mas também era irremediavelmente pouco confiável, tornando o desafio para o campeonato quase impossível.

    Patrese iria desaparecer no meio-campo, mas quando a Williams se uniu em 1989, o italiano teria os seus melhores anos na Fórmula 1, terminando em terceiro lugar em 1989 e 1991 e como vice-campeão em 1992.

    Consistência ao invés de velocidade incrível foi o estilo de Patrese, de pé no pódio 37 vezes em comparação com as suas 6 vitórias, com uma diferença de sete anos entre as vitórias entre 1983 e 1990. Patrese teria uma última temporada na F1 em 1993, fazendo parceria com Schumacher na Benetton e pendurando as suas luvas de corrida no final da campanha.

     

    8. Jarno Trulli

    252 corridas iniciadas

    Quando Fisichella deixou a Minardi em 1997, os corajosos italianos optaram por outro talento caseiro que também se tornaria um dos homens mais experientes da história da Formula 1, Jarno Trulli.

    Trulli teve um impacto imediato, ao mudar-se para a equipa Prost no meio de 1997 e marcando os seus primeiros pontos com um quarto lugar no Hockenheimring naquele mesmo ano. Prost Grand Prix continuou a lutar, mas conseguiu um incrível segundo no GP da Europa em 1999, graças ao heroísmo do italiano em condições traiçoeiras.

    O novo milénio viu Trulli a ir para a Jordânia, mas não foi até que Flavio Briatore, da Renault, rebateu o seu compatriota em 2003, para que mais sucessos se sucedessem. A primeira e única vitória de Trulli foi no Mónaco em 2004 e o italiano teria se sentido no topo do mundo até ser trazido de volta à realidade. Apesar de Trulli ter marcado mais pontos do que o seu companheiro de equipa Alonso nessa fase da temporada, foi descartado a favor de Fisichella.

    Trulli passaria cinco anos com a Toyota, reivindicando vários pólos e pódios, mas nunca alcançando as alturas do seu curto tempo na Renault. O seu pódio final foi no Japão em 2009, antes de se mudar para a sucedida equipa Lotus em 2010 e se retirar no final da temporada de 2011.

     

    9. David Coulthard

    246 corridas iniciadas

    David Coulthard pode ser mais famoso pelo seu trabalho na cobertura britânica de Fórmula 1 atualmente, mas o escocês também teve uma carreira muito bem-sucedida na pista. Sendo trazido como substituto temporário para o falecido Ayrton Senna na Williams em 1994, Coulthard teve um começo misto na F1.

    Tornou-se um piloto em tempo integral na temporada seguinte ao lado de Damon Hill e conseguiu a sua primeira vitória em Portugal no mesmo ano. Williams contratou Jacques Villeneuve para 1996, então Coulthard foi transferido para a McLaren, que estava a lutar no meio-campo do bando. A equipa de Woking estava a melhorar constantemente, e Coulthard conseguiu um par de vitórias em 1997.

    Em 1998, a McLaren voltou à frente do campo, mas Coulthard não conseguiu aproveitar o ritmo fantástico do seu carro, vencendo apenas uma vez quando o seu companheiro de equipa Mika Hakkinen chegou ao título mundial.

    1999 foi mais do mesmo, enquanto 2000 o viu como o principal desafio para Michael Schumacher na primeira metade da temporada, mas caiu nos últimos estágios.Permaneceria na McLaren até 2005, quando Coulthard se juntou à nova equipa da Red Bull, que havia renascido das cinzas da Jaguar.

    A Red Bull ainda não era a força que eles se tornariam, mas Coulthard obteve alguns resultados notáveis, incluindo um pódio impressionante no Mónaco em 2006, forçando Christian Horner a mergulhar de leve. O pódio final de David viria no Canadá em 2008, a sua última temporada na Fórmula 1, depois de 15 anos na Formula 1.

     

     

    10. Giancarlo Fisichella

    229 corridas iniciadas

    Fisichella entrou para a Formula 1 em 1996, sendo um dos muitos jovens pilotos talentosos a ter a sua primeira grande hipótese com a Minardi.

    Um breve período na Jordânia no ano seguinte trouxe o seu primeiro pódio, mas a vitória o aludiu, mesmo após a sua mudança para a Benetton em 1998. Fisi foi a favor de Alonso em 2002 e caiu para a sua antiga equipa Jordan, certamente ele não ganha aí?

    Isso é exatamente o que aconteceu naquela que foi uma corrida extremamente caótica no Brasil em 2003. A mudança para uma equipa de ponta acabou por ocorrer em 2005, quando retornou à Benetton (agora renomeado como Renault). Atuou como excelente reserva para as duas campanhas de Alonso antes de ser eliminado novamente em 2008.

    A nova equipa da Force India abocanhou-o, mas a roupa da Silverstone não parecia puxar as árvores a qualquer momento. No entanto, o Grande Prémio da Bélgica de 2009 proporcionou uma excelente hipótese para outra vitória, mas o finlandês voador Kimi Raikkonen arrebatou-o no que foi um excelente desempenho e ainda é o melhor resultado da Force India (segundo após o Pole).

    Ironicamente, Raikkonen tornaria-se o companheiro de equipa de Fisichella para a próxima corrida na Itália, quando se mudou para a Ferrari no meio de 2009 para substituir o lesionado Felipe Massa. Este movimento foi amplamente criticado depois que o veterano não conseguiu marcar um ponto nas suas cinco corridas pela Scuderia. Isso efetivamente encerrou a sua carreira na Formula 1, já que ninguém assinou o Fisi para 2010, mas deixou o desporto tendo alcançado o sonho de cada italiano de pilotar para a Ferrari.

  • Gearbest $39.99 for Lenovo E1 1.33-inch TFT Screen Sports Smartwatch Global Version promotion


  • Mais: , , | Por: João Baganha