10 factos sobre os jogos Olímpicos que provavelmente desconhece

Vamos ver em detalhe alguns fatos interessantes sobre as Olimpíadas que você pode não acreditar. Com centenas de factos e tradições olímpicas desde os dias dos antigos gregos às Olimpíadas modernas que desfrutamos hoje. Vamos ver quantos deles você já conhecia.

 

1. A tradição de morder as medalhas olímpicas

Certamente já reparou que os atletas olímpicos mordem as suas medalhas durante a cerimónia de prémios e já se questionou por que eles fazem isso? Bem, isso remonta a eras passadas, onde os comerciantes verificavam se uma moeda era de facto o metal precioso de que precisavam, e não uma falsificação de chumbo. Uma moeda de chumbo deixaria marcas de dentes, enquanto uma moeda de ouro não.

As medalhas olímpicas não são feitas de ouro, no entanto apenas banhadas a ouro. Eles são feitas principalmente de prata nos dias de hoje. A última vez que foram feitas totalmente em ouro foi nos Jogos Olímpicos de 1904.

 

Canoa e Kayak Slalom no centro de Atenas, Jogos Olímpicos de Verão 2004

2. Um hiato de 1.500 anos

Os Jogos Olímpicos originais, realizados em Olímpia, ocorreram de 776 aC até 392 dC e foram realizados, como hoje, a cada quatro anos em conjunto com um festival em homenagem ao deus grego Zeus. Os antigos gregos também tinham três outros jogos em homenagem aos deuses, Apollo, Elis e Poseiden, abrindo espaço para um torneio todos os anos. O imperador romano Teodósio aboliu as Olimpíadas numa tentativa de livrar do paganismo no seu império, a favor da ampla adoção do Cristianismo em 392 DC.

Surpreendentemente, demorou 1503 anos antes que as Olimpíadas regressassem. Organizados por Pierre de Coubertin, que formou o Comité Olímpico Internacional (COI), os Jogos Olímpicos modernos nasceram e aconteceram em Atenas em 1896.

 

3. O herói discreto no protesto do Black Power na Cidade do México, 1968

Num dos momentos mais dramáticos da história olímpica, John Carlos e Tommie Smith fizeram uma declaração política monumental, fazendo uma saudação do black power no pódio dos Jogos Olímpicos de 1968 no México. O que menos se sabe é que o atleta que ganhou a medalha de prata naquele dia era um branco australiano, Peter Norman. Ele apoiou a dupla em solidariedade enquanto exibia um distintivo de direitos humanos.

Norman foi, como os dois velocistas americanos, atacado pelos media do seu próprio país para essa exibição e impedido de competir em futuras Olimpíadas. Porém o seu papel foi reconhecido desde então, pois ele foi premiado com uma Ordem de Mérito póstuma em 2008. Tanto Carlos quanto Smith apareceram como portadores do caixão no funeral de 2006 de Norman.

 

4. As medalhas da amizade

Enquanto o ícone olímpico negro, Jesse Owens estava ocupado a treinar na Alemanha nazi e a fazer história nos Jogos Olímpicos de 1936 em Berlim, dois atletas de salto de vara japoneses Shuhei Nashida e o seu amigo Sueo Oe estavam prontos para um desempate para decidir quem levaria a prata e quem levaria o bronze . A dupla decidiu rejeitar o cenário de desempate e cortar as duas medalhas pela metade. Eles então fundiram o bronze com a prata para fazer duas novas “medalhas da amizade”.

 

5. Crianças e amadores também competiam

As regras foram estabelecidas para tornar as Olimpíadas o campo de jogo mais justo e nivelado possível, porém isso não quer dizer que os atletas não tenham tirado proveito de lacunas e das coisas assim no passado.

Os Jogos Olímpicos de Inverno introduziram a Regra de Eddie, a Águia, para impedir os amadores de competir nos Jogos. O COI garantiu que todos os competidores dos Jogos devem ter terminado na primeira metade de uma competição internacional.

Os jovens foram autorizados a competir nas Olimpíadas até 1997, quando o Comité Olímpico Internacional garantiu que apenas maiores de 16 anos pudessem competir. Dimitrios Loundras foi o atleta olímpico mais jovem de todos os tempos, aparecendo nos jogos de 1896.

 

  •  

    6. As Primeiras Para-olimpíadas

    Os primeiros Jogos Para-olímpicos aconteceram em Roma em 1960, com o objetivo de dar aos veteranos de guerra a hipótese de competirem e se reabilitarem. Antes disso, houve casos em que atletas com deficiência física competiam nas próprias Olimpíadas. O ginasta olímpico George Eyser ganhou seis medalhas com uma perna de pau nos Jogos de 1904.

    Agora, os Jogos Para-olímpicos oferecem a hipótese de competir para pessoas com diversas deficiências. Em 2014 Ibrahim Hamato fez história ao sagrar-se campeão mundial de ténis de mesa, apesar de não ter braços e jogar com a raquete na boca.

     

    7. Londres 2012 foi um momento histórico para a igualdade

    Percorremos um longo caminho desde competidores nus e atletas excluídos até as Olimpíadas de hoje. Londres em 2012 foi um momento marcante para as Olimpíadas. Entre outras coisas, os Jogos Olímpicos de Londres 2012 ficaram conhecidos como Jogos Femininos. Por quê? Porque foram as primeiras Olimpíadas de Verão que mostraram uma verdadeira igualdade. As mulheres não foram impedidas de participar de um único desporto e, pela primeira vez na história, cada nação enviou uma competidora.

     

    8. Uma maratona sem sapatos

    A prova de um homem a mostrar imensa resiliência mental, determinação e impulso, para outro. Abebe Bikila venceu a maratona olímpica nos Jogos Olímpicos de Roma em 1960. Surpreendentemente, ele conseguiu isso sem o benefício do calçado. Correu descalço para uma corrida meticulosa de 42 quilómetros, Bikila tornou-se o primeiro africano da história a ganhar uma medalha de ouro.

     

    9. Atletas Nus

    Embora hoje os eventos desportivos que envolvem nudez sejam considerados escandalosos ou, pelo menos, não planeados. No entanto na Grécia Antiga era uma das principais tradições olímpicas.

    Enquanto as primeiras Olimpíadas viram atletas a competirem em tanga, um corredor chamado Orsippus mudou a cara dos jogos quando apareceu nu, apelando para a nação como um símbolo da “condição de grego”.

    A nudez provou ser um sinal de destemor, coragem, poder e também foi considerada uma homenagem aos deuses. Os participantes até se ensaboavam com azeite para melhor exibirem o seu físico. Você sabia que a palavra “ginásio” vem da palavra grega “gymnós” que significa nu?

     

  •  

    10. A chama olímpica está sempre acesa

    A chama olímpica já deu a volta ao mundo, no Concorde, em rios e até mesmo no espaço e é virtualmente à prova de intempéries. Ela pode suportar temperaturas extremas e ventos fortes até 80 km/h e, de alguma forma, ainda não apagou durante os seus longos revezamentos ao redor do mundo. Se for o caso, uma tocha sobressalente, acesa na chama-mãe em Atenas, nunca está a mais de 30 segundos de distância.



    Mais: , | Por: Rita Ferraz