10 factos interessantes sobre o Canal de Suez

Um olhar sobre o Canal de Suez, o seu passado, presente e futuro, revelando o seu caráter complexo ao longo da história e influência na geopolítica e na economia mundial.

O Canal de Suez, foi inaugurado no Egito em Dezembro de 1869, é uma das incríveis conquistas industriais que ainda inspira admiração e continua a impressionar. O Canal foi construído para conectar o oceano Atlântico Norte com o oceano do norte da Índia, reduzindo consideravelmente a distância entre a Europa e a Ásia e, assim, incentivando o comércio mundial e o transporte transatlântico.

Embora quase todos tenham algumas informações sobre o Canal de Suez, essa construção maciça que levou 10 anos para ser concluída tem uma história fascinante que pode mantê-lo fascinado durante horas a fio.

 

View this post on Instagram

A post shared by Lívia Pereira • Viagem • Life (@viajandocomlivia)

1. Serviu de inspiração para a Estátua da Liberdade

O escultor francês Frédéric-Auguste Bartholdi teve a ideia de construir uma grande estátua para celebrar o Canal e apresentou-a ao governo egípcio e ao engeneiro Ferdinand de Lesseps. A estátua seria uma mulher vestida com trajes tradicionais egípcios, usando uma tocha e sendo intitulada de “Egito a Trazer Luz para a Ásia”. A ideia fora inspirada no Colosso de Rodos e teria ficado na extremidade mediterrânea do Canal. Pretendia também ter uma finalidade prática, servindo de farol aos navios que passavam.

A ideia não foi bem aceite naquela região, no entanto Bartholdi continuou a promover a ideia até que ela foi finalmente levada para Nova York, onde o seu nome original era “Liberdade a Iluminar o Mundo” mais abrangente.

 

View this post on Instagram

A post shared by Turkish Shipspotter🚢📸 (@shipspotter_hayriyay)

2. Uma expansão do Canal de Suez está a decorrer

O governo egípcio decidiu expandir o Canal de Suez para diminuir ainda mais as distâncias e promover o comércio mundial, especialmente as rotas comerciais entre a Ásia e a Europa. O projeto teve início em 2014 e está programado para ser aberto para uso até o final de 2016. Originalmente, o Canal de Suez encurtou viagens em até 7.000 quilómetros, enquanto o projeto concluído vai elevar para quase 9.600 quilómetros.

Embora a construção original tenha levado quase uma década para ser concluída, esta nova adição estará pronta em menos de dois anos e quase o dobro da receita do governo egípcio até 2023.

 

3. O Canal do Panamá foi projetado pelo mesmo engenheiro

Depois de terminar com sucesso o Canal de Suez, Ferdinand de Lesseps desenvolveu a ideia de construir outro canal sobre o istmo na América Central. Incentivados pelo o seu sucesso anterior, investidores e governos deram o seu apoio e aval, e Lesseps recrutou o arquiteto e engenheiro Gustave Eiffel, criador da Torre Eiffel. Lesseps tinha prometido que construir o Canal do Panamá seria mais fácil e rápido do que o Suez.

O projeto foi iniciado em 1881, doze anos após a conclusão do Canal de Suez, no entanto foi sujeito a muitos fracassos e infortúnios sob a gestão de Lesseps, incluindo uma pandemia que resultou em milhares de mortes. A empresa de Lesseps faliu em 1889, enquanto ele e Eiffel foram processados por conspiração e fraude.

 

4. A grande maioria dos trabalhadores eram nativos

A maioria das pessoas contratadas para trabalhar no Canal de Suez eram egípcios nativos. Estima-se que devem ter existido cerca de 30.000 trabalhadores no total. A construção do Canal foi um esforço combinado de trabalho manual primitivo e as tecnologias mais recentes disponíveis na época.

O recrutamento da maioria desses trabalhadores, que muitas vezes trabalhavam nas condições mais desumanas, era feito sob a supervisão do quediva, basicamente um vice-rei ou governador do Egito. Isso significa que o trabalho era principalmente forçado e consistia em camponeses ameaçados de trabalhar, basicamente usando ferramentas manuais para cavar o caminho do canal.

 

  •  

    5. No início o governo britânico opôs-se à sua construção

    Lesseps, um ex-diplomata, tinha chegado a um acordo com o governo egípcio, ou melhor, o quediva egípcio, e juntos formaram a Companhia do Canal de Suez. No entanto, como o projeto também recebeu apoio do imperador francês Napoleão III, o governo britânico viu-o como um ato deliberado de desafio ao seu poder marítimo global, que ultrapassava de longe qualquer outro na época.

    Apesar de criticar o projeto durante muitos anos, o governo britânico não hesitou em comprar umas impressionantes 44 por cento das ações da empresa quando o governo egípcio as colocou em leilão, pois mais financiamento era necessário, e continua a ser o acionista maioritário.

     

    View this post on Instagram

    A post shared by MARITIME UNIVERSE (@maritimeuniverse)

    6. São aproximadamente 29 km a mais após a sua expansão

    No momento da sua conclusão, o Canal de Suez media cerca de 164 quilómetros. Desse total geral, foram escavadas até 120 quilómetros, um dos fatores que agravou as dificuldades da sua construção e tanto atrasou a conclusão.

    Hoje, graças à expansão, o Canal de Suez terá cerca de 193 quilómetros. Esta é uma grande melhoria e benefício para o comércio transoceânico numa das vias navegáveis mais populares do mundo.

     

    View this post on Instagram

    A post shared by Geografia Geral (@geografiageral)

    7. 15 navios ficaram encalhados nele durante 8 anos

    Após a Guerra dos Seis Dias em 1967, o governo egípcio bloqueou as entradas do Canal com minas e navios abandonados. Os 15 navios que permaneceram encalhados foram atracados dentro do Canal, e muitos tripulantes permaneceram no convés durante esse período. Durante esses oito anos, as pessoas formaram uma espécie de comunidade, criando os seus próprios sistemas de negociação e organizando eventos desportivos para passar o tempo.

    Uma parte menor da tripulação entrava e saía dos navios atracados a cada três meses. Os navios foram lançados em 1975, e todos, exceto dois, já não estavam em condições de navegar.

     

    8. Outro canal semelhante foi construído no Egito Antigo

    A história conta-nos que um faraó egípcio chamado Senuset III construiu um canal que conectava o rio Nilo com o mar Vermelho quase dois mil anos antes do Canal de Suez, por volta de 1850 a.C.

     

    View this post on Instagram

    A post shared by Tudo sobre História (@tudorbrasil)

    9. Napoleão Bonaparte também o queria construir

    Muitos dos grandes homens da história tentaram construir um canal ligando o Mar Vermelho ao Mediterrâneo não por pura inspiração, mas porque é uma construção tão lógica e estratégica. Assim, quando conquistou o Egito em 1789, Napoleão Bonaparte enviou uma equipa de pesquisadores para tirar as medidas do tal canal.

    Infelizmente, eles calcularam mal e fizeram Bonaparte reconsiderar. Só décadas depois, quando novas medições mostraram que a diferença do nível do mar não atrapalharia a construção, o projeto foi aprovado.

     

  •  

    10. Facilitou a colonização europeia da África

    Também chamada de “corrida pela África”, os anos entre 1881 e 1914 representam um período que viu grandes invasões do território africano por parte do que já foram ou tornaram-se grandes colonizadores mundiais. Isso incluiu países como a França, Grã-Bretanha, Portugal, Itália, Espanha ou Bélgica, e que foi seguido por uma divisão e colonização dessas áreas.



    Mais: | Por: Sandra Melo