10 factos curiosos sobre Juan Miró

1. Embora não se sentisse à vontade para se alinhar com “ismos”, Miró é considerado um dos surrealistas mais importantes

Pouco depois de se mudar para Paris em 1920, Miró fez amizade com André Breton, Max Ernst, Jean Arp, André Masson e outros nomes associados ao Dadaísmo e ao Surrealismo. Embora sentisse afinidade com o conceito de “automatismo psíquico” de Bréton, uma prática que Miró incorporaria ao longo da sua longa carreira.

Estava menos interessado em manifestos. No entanto, ele participou da primeira exposição surrealista em 1925, e Bréton saudou-o como “o mais surrealista de todos nós”. De facto, a fantástica linguagem simbólica de Miró de formas semi-abstratas e biomórficas e o seu uso inovador da linha, forma e cor representam algumas das contribuições mais significativas para a obra surrealista.

 

2. O legado artístico de Miró é um dos mais influentes e abrangentes

A sua prática inovadora e experimental influenciou o trabalho de contemporâneos surrealistas, incluindo Max Ernst, Yves Tanguy e Salvador Dalí, e o amigo íntimo de longa data Alexander Calder creditou Miró como uma influência definidora. O seu trabalho é amplamente considerado como um dos precursores mais importantes do Expressionismo Abstrato e da pintura Color Field, influenciando Jackson Pollock, Mark Rothko, Robert Motherwell, Arshile Gorky, Roberto Matta e Jules Olitski.

Quando Miró morreu em 1983, aos 90 anos, ele foi lembrado no seu obituário do New York Times como tendo deixado uma “marca indelével no seu século”.

 

3. Nascido em Barcelona, a perspectiva artística de Miró estava intimamente ligada à sua identidade catalã.

Embora tenha morado em Paris durante vários anos e passado a sua carreira tardia em Palma de Mallorca, Miró permaneceu devotamente comprometido com as suas raízes catalãs. O início da vida adulta durante o movimento de independência da Catalunha, a política e as questões de identidade nacional eram inevitáveis.

Usando a imagem de um camponês catalão como uma espécie de alter-ego, Miró expressou a sua profunda conexão com a sua terra natal: em O caçador (1923-1924), a figura titular, a vestir um tradicional barrete vermelho, flutua sobre uma paisagem evocando elementos da quinta da família em Mont-roig, com bandeiras francesas, catalãs e espanholas ao fundo. A iconografia aparece em várias outras obras, incluindo a Cabeça de um camponês catalão (1924-1925).

 

4. Desenhou cenários, figurinos e adereços para os Ballets Russes

Em 1926, o fundador da Ballets Russes, Sergei Diaghilev, orquestrou uma produção surrealista de Romeu e Julieta, envolvendo Miró e Max Ernst como desenhistas. O balé, considerado burguês por Bréton e outros surrealistas obstinados, foi recebido com protestos quando estreou em Paris.

O compositor do balé, Constant Lambert, também desaprovou a participação dos artistas, embora por motivos diferentes; ele repreendeu o design de produção não tradicional como o trabalho de “pintores de décima categoria de um grupo imbecil chamado de Surrealistas”. A experiência não deteve Miró e, em 1932, retomou o seu papel de desenhista para uma produção de Jeux d’enfants, montada pelos Ballets Russes de Monte-Carlo.

 

5. Miró foi desenraizado pelo conflito pela segunda vez durante a Segunda Guerra Mundial

No início da Segunda Guerra Mundial, Miró e a sua família viviam na Normandia, tendo deixado Paris em 1939. Quando as forças nazis começaram a invadir a França, ele viu-se a recuar para um universo exclusivamente privado na sua arte.

Nesse período, Miró embarcou numa série de guaches conhecidos como Constelações, com pássaros, estrelas e outros motivos que evocam o voo e a fuga. Em 1940, Miró e a sua esposa e filha fugiram para a Espanha, com as pinturas enroladas debaixo do braço. A série, exibida em Nova York em 1945, está entre os primeiros documentos artísticos da Europa a chegar à América após a guerra.

 

 

6. Vendeu uma pintura a Ernest Hemingway

O culminio do seu crescente afastamento estilístico da influência pós-impressionista, Miró considerou The Farm (1921-22) a sua primeira obra-prima, um sentimento que foi sinceramente partilhado pelo seu amigo Ernest Hemingway. Hemingway comprou a pintura em 1925, comentando mais tarde: “Eu não a trocaria por nenhuma imagem do mundo. Ela contém tudo o que você sente sobre a Espanha quando está lá e tudo o que você sente quando está fora e não pode ir para lá. Ninguém mais foi capaz de pintar essas duas coisas muito opostas.”

Uma das suas primeiras pinturas para celebrar a sua identidade catalã, a representação de Miró da sua quinta familiar em Mont-roig é notável pela sua amálgama única de detalhes realistas cuidadosamente observados dentro do vocabulário espacial abstrato do cubismo.

 

7. A sua primeira exposição na galeria foi um desastre

Os estudos de Miró com Francesc Galí colocaram-no na órbita das Galeries Dalmau, um centro artístico em expansão em Barcelona. O galerista José Dalmau foi um dos primeiros apoiantes do jovem artista, dando a Miró a sua primeira exposição individual em 1918. Apresentando obras em dívida com Fauves e Cézanne, a exposição foi criticada pela crítica e pelo público. Nem uma única pintura foi vendida. A receção desastrosa acabou por levar Miró a deixar Barcelona para Paris em 1920.

 

8. Miró dedicou-se à arte após sofrer um colapso nervoso

Enquanto começou a estudar artes plásticas em tenra idade, os pais de Miró esperavam que o seu filho seguisse uma carreira em finanças. Assim, aos 14 anos, ele matriculou-se na escola de negócios (estudando arte na Escuela Superior de Artes Industriales y Bellas Artes de La Lonja).

Ao concluir os estudos, Miró assumiu o cargo de contador, no entanto não se deu bem no ambiente de escritório, sendo que, acabou por sofrer um colapso nervoso, seguido por um ataque de febre tifoide. Após um período de convalescença na propriedade dos seus pais em Mont-roig, Miró voltou a dedicar-se aos estudos artísticos, matriculando-se na Escola d’Art de Francesc Galí de 1912 a 1915.

 

9. Miró uma vez declarou: “Quero assassinar a pintura”

Citado em 1927, o desprezo do artista pelas convenções estéticas burguesas lançou um período criativamente fecundo de experimentação rápida com “anti-pintura”, colagem e assemblage. Utilizando materiais produzidos em massa e industriais, Miró procurou revigorar a sua prática através da experimentação de uma ampla variedade de medias, uma repreensão direta ao que ele via como a comercialização e politização da pintura estabelecida.

Foi particularmente crítico do cubismo, naquela época, um modo de expressão amplamente aceite uma vez afirmando: “Eu vou partir uma guitarra” (em referência, é claro, à popularidade de Picasso).

 

 

10. Apropriadamente, a sua prática abrangia uma variedade estonteante de media

Da colagem e escultura às gravuras e relevos em madeira, Miró experimentou incansavelmente ao longo da sua carreira. Em 1944, embarcou em quase três décadas de colaboração com o ceramista Josep Lloréns Artigas, produzindo inúmeros vasos, esculturas e murais. Nessa época, ele também começou a experimentar litografia e gravura e, de 1954 a 1958, concentrou-se quase exclusivamente em cerâmica e gravuras. Trabalhou até à velhice, a curiosidade e criatividade artística de Miró nunca cessou. Em 1974, foi contratado para criar uma tapeçaria monumental para o World Trade Center de Nova York, que pendurou o saguão da Torre Sul até ser destruído nos ataques de 11 de Setembro de 2001.



Mais: , , | Por: Sandra Melo