10 das maiores polémicas da história do Festival da Canção Eurovisão

Adore ou deteste, o Festival da Canção Eurovisão ainda continua a ser o programa de Televisão mais assistido do ano, com cerca de 182 milhões de telespectadores a assistirem anualmente para ver quais dos países concorrentes serão os vencedores. O concurso de 2021 terá 39 artistas a subirem ao palco em Roterdão na tentativa de suceder Duncan Laurence, que venceu o último concurso em 2019 pela Holanda, antes da a pandemia de Covid obrigasse ao festival do ano passado a ser cancelado.

Porém, embora as coisas quase sempre corram bem durante a noite, o concurso tem tido uma estranha controvérsia nos seus 65 anos de história. Desde declarações políticas a atos temperamentais irritando os organizadores e levantando as sobrancelhas dos espetadores. Vamos nos lembrar de alguns dos momentos mais polémicos da história do concurso.

 

1. Portugal incita a revolução em 1974

A entrada de Portugal no concurso de 1974, a balada “E Depois do Adeus”, de Paulo de Carvalho, pode não ter tido muito impacto no concurso propriamente dito, no entanto mesmo assim que ganhou notoriedade, depois de se ter revelado como um dos dois sinais para o início da revolução em Portugal.

A Revolução dos Cravos, contra o regime autoritário do Estado Novo de Marcelo Caetano, um golpe que mais tarde fez com que o país se tornasse uma democracia. Até à data, continua a ser a única entrada do Festival da Canção Eurovisão a iniciar uma revolução, que conhecemos historicamente.

 

2. Bandeiras palestinas do Hatari em 2019

O artista islandês Hatari já causou um certo impacto no Festival da Canção 2019 em Tel Aviv com a sua música Hatrid Mun Sigra, também conhecida como (o ódio vai prevalecer) um hino industrial gritante tão distante das grandes baladas e sucessos de dança coloridos do concurso quanto era possível para obter.

No entanto, a banda realmente causou agitação quando, depois dos seus pontos do público serem concedidos, as câmeras voltaram-se para eles na sala verde a segurarem as faixas em apoio à Palestina. Embora a banda posteriormente tenha admitido que esse era o “motivo principal” para participar no concurso, foi menos popular com a União Europeia de Radiodifusão, que multou as emissoras islandesas em 5.000 euros por violar a regra de proibição de política do concurso.

 

3. O beijo entre duas mulheres da Finlândia em 2013

O concurso de 2013 em Malmo, na Suécia, apresentou-nos a Krista Siegfrieds da Finlândia e a sua música Marry Me, com as suas letras pesadas “ding-dong” e Krista a subir ao palco num vestido de noiva. Dada a reputação do concurso de truques de palco roupas e adereços, este foi o livro didático da Eurovisão, exceto quando Krista decidiu sacudir os adereços completamente e beijar uma das suas dançarinas durante a apresentação, como um protesto contra o casamento do mesmo sexo não ser legal na Finlândia naquela altura.

Krista irritou nomes como a Turquia, que desistiu dos planos de exibir a semifinal e a final (apesar de não ter participado na competição naquele ano), e da China, que censurou o momento em questão. Não que a confusão tenha feito muita diferença para a pontuação final da Finlândia, com Krista a terminar em 24º lugar na final com apenas 13 pontos.

 

4. Silvia Night incomoda todos em 2006

O concurso de 2006 em Atenas pode ter chegado às manchetes devido aos Lordi da Finlândia, até hoje o único ato a ganhar o Festival da Canção Eurovisão com uma canção de heavy metal, no entanto a Islândia também chamou a sua cota de atenção graças ao seu ato, o infame Silvia Night. Silvia, na verdade uma personagem criada pela atriz Agusta Eva Erlandsdottir, pretendia conquistar a nação com a sua primeira vitória num concurso com sua a canção Parabéns, uma pequena melodia cativante sobre como ela estava fadada a vencer porque era melhor do que todos os outros concorrentes.

Infelizmente para todos os interessados, Erlandsdottir permaneceu no personagem ao longo do seu tempo em Atenas, e começou a incomodar muitas pessoas, desde jornalistas que cobriam o concurso a quem ela se referia como “amadores de merda”, mesmo tendo ela guarda-costas, carrega um deles para fora da sua conferência de imprensa, até espalhar boatos escandalosos sobre Carola, concorrente da Suécia.

Tudo isso a levou a ser vaiada ao subir ao palco na semifinal. No entanto ela não parou por aí, atacando Carola, Lordi e os holandeses “Treble” depois da sua atuação ter falhado em lhe garantir um lugar na final, divulgou as suas frustrações na imprensa, dizendo a um jornalista: “Eu vou-vos processar, e eu processarei a competição, e todos vocês irão para a cadeia!. Oh céus.”

 

5. Ucrânia retira-se em 2019

A final nacional da Ucrânia em 2019 trouxe consigo um sério candidato na forma da Canção da Sereia de Maruv, todos os vocais sensuais e grandes trompetes parpy, acompanhados por uma rotina de dança muito sexy. Sem surpresas, Maruv foi a grande favorita para a passagem para Tel Aviv e venceu a final nacional, apenas para ser dispensado pela emissora local depois de ela se ter recusado a assinar um contrato que a impedia temporariamente de cantar na Rússia.

Implacável, a emissora UA: PBC abordou os vice-campeões para lhes oferecer a hipótese de representar a Ucrânia, porém eles também recusaram. Quando o segundo vice-campeão também disse não, eles não tiveram escolha a não ser desistir completamente do concurso, deixando-nos todos a nos questionarmos sobre o que poderia ter acontecido se Maruv tivesse tido o seu momento no palco do Festival da Canção Eurovisão. A música, entretanto, vive como uma das favoritas nas festas da Eurovisão.

Ainda neste festival surge outra polémica que não nos vamos esquecer. Aquele momento um tanto embaraçoso na mesma final, quando o ex-vencedor do Festival da Canção Eurovisão, Jamala, prontamente perguntou a Maruv: “Tenho uma pergunta muito desagradável para si, a Crimeia é a Ucrânia?”

 

  •  

    6. Rússia retira-se da Ucrânia em 2017

    No ápice da Ucrânia e da Jamala, foi a sua canção, 1944, que trouxe o concurso a Kiev em 2017, deixando todos na dúvida se a Rússia participaria, dado o conflito em curso entre os dois países. Com certeza, eles decidiram que o fariam, inesperadamente revelando a ex-concorrente russa do Factor X Julia Samoylova como a sua concorrente, com a música “Flame Is Burning”. Tudo parecia bem, até que ficou claro que Julia tinha-se apresentado anteriormente na Crimeia, um grande não-não no que dizia respeito à Ucrânia, levando-a a ser proibida de realmente entrar no país.

     

     

    Tudo isto levou a Rússia a retirar-se totalmente da competição naquele ano. Nem todas as notícias foram más para Julia, que teve o seu momento no palco do Festival da Canção Eurovisão ao representar a Rússia em Lisboa em 2018. Infelizmente, a sua música “I Won’t Break” não conseguiu se classificar na semifinal, tornando-a a única russa participante até o momento a perder um lugar final.
     

    7. A canção controversa da Geórgia em 2009

    Por falar em controvérsias políticas, a Geórgia viu-se envolvida numa situação embaraçosa em 2009, com a tentativa de enviar um número disco da banda Stefane e 3G, após a guerra russo-georgiana. A música, intitulada “We Don’t Wanna Put In”, foi promovida pela EBU pela sua letra claramente política, atacando o presidente russo Vladimir Putin de forma subliminar.

    A Geórgia teve a hipótese de apresentar uma música alternativa, no entanto optou por se retirar do concurso naquele ano, mais uma vez a nos deixar a imaginar o que teria acontecido se eles tivessem participado. A música, no entanto, ainda está amplamente disponível no YouTube para aqueles que querem ver o que realmente aconteceu, e de que forma a música é provocativa.

     

    8. Terry Wogan anuncia o vencedor errado em 2007

    Este não era realmente do concurso em si, porém veio quando o Reino Unido estava a escolher o seu participante para o concurso de 2007 em Helsínquia. Tendo sido reduzido para os dois últimos, o atrevido hino da companhia aérea de Scooch, “Flying The Flag (For You)”, e “I’ll Leave My Heart”, da balada Cyndi, o falecido grande Terry Wogan teve a tarefa de anunciar qual ato ganhou a passagem para a Finlândia.

    Durante um momento de extrema estranheza em que ele anunciou que Cyndi tinha ganhado, com Scooch já a ser parabenizando antes que o co-apresentador Fearne Cotton anunciou que Wogan falhou e que eles eram de facto os vencedores. Claro, dado que Scooch acabou por marcar apenas 19 pontos na final de 2007, ficamos a pensar até hoje se Cyndi se teria se saído melhor.

     

    9. As vitórias de Israel

    Israel somou quatro vitórias no Festival da Canção Eurovisão desde que começou a participar, no entanto isso não aconteceu sem controvérsia própria. Em 1978, quando ficou claro que Izhar Cohen e Alphabeta estavam a caminho de ganhar o título com A-Ba-Ni-Bi, a televisão jordaniana imediatamente retirou a transmissão, em vez de mostrar aos espectadores a filmagem de um monte de narcisos antes de anunciar aquele segundo, colocada a Bélgica tinha realmente vencido o concurso.

     

    20 anos depois, para a competição em Birmingham e Dana International, a participante de Israel em 1998, e a primeira transgénero da Eurovisão, causou tanta controvérsia entre os grupos religiosos mais conservadores em Israel que ela precisou de ter escolta policial e segurança à mão durante o seu tempo no Reino Unido no concurso.

     

  •  

    10. A vitória da Bélgica em 1986

    Apesar de ser um dos participantes mais antigos do Festival da Canção Eurovisão, a Bélgica só ganhou o concurso uma vez, com “J’Aime La Vie” de Sandra Kim em 1986, no entanto causou um pequeno rebuliço depois que foi revelado que ela tinha na verdade apenas 13 anos de idade, e não 16 como tinha sido relatado na época. A Suíça, que terminou em segundo lugar, subsequentemente pediu a desqualificação da música, sem sucesso, e até hoje Sandra continua a ser a mais jovem vencedora do concurso. Ela provavelmente continuará assim, visto que a idade mínima para participar foi elevada para 16 anos.



    Mais: , , | Por: Sandra Melo