10 curiosidades sobre o dia de los muertos, tradição do México

O Dia dos Mortos é um feriado mexicano, comemorado nos dois primeiros dias de Novembro. O objetivo é celebrar a vida dos falecidos nos dias do ano em que se acredita que os seus espíritos retornarão ao nosso mundo. É um feriado nacional, visto por muitos no México como o dia mais importante a seguir ao Natal, a sua popularidade tem vindo a crescer um pouco por todo o mundo graças à diáspora mexicana no exterior.

 

1. O dia dos mortos não é o Halloween mexicano

Ao contrário do que muitas vezes é retratado na cultura popular, o Dia dos Mortos não é a versão mexicana do Halloween. Embora sejam celebrados mesma época do ano e tenham semelhanças, os dois são feriados diferentes, com origens diferentes e tradições únicas. O Halloween tem as suas origens no festival da colheita celta de Samhain, enquanto que o Dia dos Mortos tem as suas raízes nas antigas tradições religiosas da população indígena da Mesoamérica. O Halloween, como é praticado hoje, envolve doces ou travessuras, uso de fantasias e decoração de abóboras. As tradições do Dia dos Mortos não envolvem nenhuma dessas coisas. No Halloween, os espíritos são vistos como assustadores ou algo a ser repelido. O Dia dos Mortos concentra-se em receber as almas dos parentes falecidos com alegria e hospitalidade.

Uma vigília à luz de velas com mexicanos vestidos com o tradicional guarda-roupa do Dia dos Mortos e rostos de caveiras com pinturas complexas. Mulheres com máscara de caveira e vestido tradicional mexicano.

 

2. O feriado tem uma história rica e antiga, que remonta a mais de 2000 anos

As raízes do Dia dos Mortos são profundas na história mexicana e remontam aos dias anteriores à conquista espanhola. As civilizações pré-colombianas tinham uma variedade de celebrações destinadas a homenagear os mortos. No entanto, muitas das tradições que conhecemos hoje vêm das práticas religiosas dos astecas, que acreditavam que existiam diferentes vidas após a morte, dependendo de como as pessoas morriam. Um deles é Mictlán, o destino final para aqueles que morreram de causas naturais e governado pela deusa Mictecacíhuatl, frequentemente representada por uma caveira.

Os astecas acreditavam que, para chegar a Mictlán, as almas tinham que completar uma jornada árdua. Para ajudar o falecido nesta jornada, os astecas fariam oferendas de objetos úteis nos cemitérios dos seus parentes. Vários feriados astecas envolviam rituais para homenagear os falecidos, incluindo a decoração de tocos de árvores e a colocação de oferendas para parentes mortos. Essas tradições estabeleceram o precedente para Ofrendas, ou altares do Dia dos Mortos colocados pelas famílias mexicanas nos dias de hoje.

Após a colonização, essas tradições foram cristianizadas e foram incorporadas aos feriados católicos do Dia de Todos os Santos e do Dia de Finados, produzindo um sincretismo único de tradições. As tradições foram transferidas do verão para o dia 1 e 2 de Novembro para coincidir com esses dois dias.

 

3. Famílias mexicanas colocam Ofrendas para homenagear os seus parentes falecidos

Nos dias anteriores ao feriado, é comum construir um santuário para homenagear os parentes falecidos. Esses santuários, chamados em espanhol de “Ofrendas”, são brilhantes, coloridos e ornamentados. Eles são adornados em laranja e roxo, as cores tradicionais do feriado, e decorados com flores, incluindo malmequeres, e artesanato em papel decorado, incluindo o tradicional “papel picado”. Colocados no topo desses altares estão fotos dos mortos, objetos que eram preciosos para eles e alimentos que desfrutaram na vida. Eles ficam ao lado de caveiras de açúcar, velas, o tradicional Pan de Muertos, cruzes, estátuas e ícones de Jesus e Santos. Os mexicanos seculares e não católicos geralmente irão evitar colocar essa iconografia religiosa nas suas Ofrendas.

Durante o feriado, as Ofrendas não são colocadas apenas em residências, mas também em escolas, escritórios e praças públicas. Em cidades ao redor do México, Ofrendas públicas tornam-se um espetáculo em si, atraindo dezenas de pessoas para ver esses altares lindos e em grande escala colocados à vista do público. Frequentemente, são feitos por artistas conhecidos, estes adotam um tema anual e têm como objetivo homenagear figuras importantes da história e da cultura mexicana.

 

4. O Dia dos Mortos não é sombrio, é uma celebração

Embora muitos esperem que o Dia dos Mortos seja um dia memorial solene, na verdade é uma ocasião alegre, que significa uma celebração da vida. Em vez de tudo ser escuro e sombrio, como é comumente associado aos rituais de luto, o feriado é claro e colorido, com decorações preenchendo quase todas as casas e espaços públicos do país. É comum haver refeições comemorativas em família, além de festas na rua com música e dança. Em muitas cidades, há procissões comemorativas envolvendo máscaras, fantoches e fantasias coloridas.

 

5. O humor desempenhou um papel importante no feriado

Dado que o Dia dos Mortos é uma festa, tornou-se comum inserir o humor mexicano clássico para aumentar a alegria da ocasião. A arte do Dia dos Mortos frequentemente apresenta esqueletos a beber, a dançar e a celebrar, e esses esqueletos são frequentemente retratados em situações engraçadas. Desde o século 19, o feriado tornou-se sinónimo da arte do cartunista mexicano José Guadalupe Posada, que criou arte e personagens peculiares baseados em esqueletos, incluindo o icónico La Catrina.

Outra tradição que reflete isso é o costume de escrever “calaveritas”, que são poemas curtos e engraçados sobre uma pessoa viva e como ela morreu. São partilhados entre amigos e familiares ou publicados em revistas e jornais para satirizar celebridades e políticos.

 

  •  

    6. Costuma-se visitar cemitérios

    Uma parte central do feriado envolve ir ao cemitério e passar lá algum tempo junto aos túmulos de entes queridos. Em preparação para o Dia dos Mortos, as famílias limpam e lavam os túmulos dos seus mortos e os decoram com velas e flores como malmequeres. Eles trarão ofertas de alimentos que o falecido apreciou e objetos que foram significativos para eles na vida. No caso das crianças, os brinquedos serão levados até à sepultura. Em muitas partes do país, as famílias partilham uma refeição ao lado dos túmulos dos seus parentes, enquanto partilham histórias e memórias sobre os entes queridos que perderam.

     

    7. Malmequeres são uma componente chave

    A Flor de Cempasuchil, também conhecida como Calêndula mexicana, é uma flor de laranjeira brilhante que cresce no México durante o outono. Tornou-se um importante símbolo do Dia dos Mortos. Na época do feriado, ela é vista em todos os lugares, desde em Ofrendas, a edifícios públicos e até parques. A razão para isso não é apenas o facto de que é uma flor sazonal, mas também por causa do cheiro excecionalmente forte da flor. Segundo o folclore mexicano, acredita-se que esse cheiro atrai espíritos. Por este motivo, é tradicionalmente colocado nas Ofrendas para atrair as almas dos falecidos para as casas dos seus parentes vivos. A flor também está associada ao sol e ao renascimento, dada à sua cor laranja.

     

    8. Bolos e doces são essenciais para o feriado

    Como em qualquer ocasião especial no México, a comida desempenha um papel vital. A refeição tradicional geralmente inclui petiscos favoritos mexicanos como tamales e atole, no entanto o que a maioria das pessoas espera durante a época são as sobremesas. O principal alimento associado ao feriado é o Pan de Muertos, um delicioso pão doce, coberto com açúcar e decorado para parecer uma pilha de ossos.

    Outro doce é o crânio de açúcar. Uma escultura de açúcar ricamente decorada em forma de crânio que pode ser uma bela decoração ou um doce. Eles vêm em variedades comestíveis e não comestíveis. Os crânios de açúcar mais decorativos geralmente contêm um espaço para escrever o nome de um ente querido falecido para ser colocado em cima da Ofrenda. A versão comestível é mais simples e geralmente feita com um tipo de açúcar mais macio. Os crânios comestíveis também podem ser encontrados na versão de chocolate, e padarias e confeitarias de todo o país fazem pastéis, biscoitos e até chicletes em forma de caveira para o feriado.

     

    9. Diferentes tradições existem em diferentes partes do México

    O México é um país muito grande e diverso e, como tal, não é um lugar homogéneo. Assim, as celebrações do Dia dos Mortos tendem a variar de região para região. Não é incomum que diferentes cidades tenham as suas próprias tradições. Mixquic, nos arredores da Cidade do México, decora a cidade com correntes de papel e estrelas para guiar os espíritos, enquanto em Patzcuaro, Michoacán, as pessoas viajam para o cemitério em barcos à luz de velas e cruzam o lago à noite. Na península de Yucatán, costuma-se fazer uma refeição festiva em que o prato principal é o pib, uma caçarola à base de milho semelhante ao tamale.

     

  •  

    10. O desfile do Dia dos Mortos na Cidade do México é uma tradição muito recente

    Na cena de abertura do filme mais recente de James Bond, SPECTRE, poderíamos supor que o desfile do Dia dos Mortos na Cidade do México é um grande negócio. No entanto, o desfile e a festa de rua vistos no filme foram, na verdade, inteiramente fictícios e concebidos pelos escritores do filme. Dado o interesse que isso gerou nos turistas, o governo da Cidade do México chegou a criar a sua própria versão do desfile inspirada no filme há alguns anos. O desfile tornou-se extremamente popular, porém não foi sem os seus críticos a criticarem o aumento da comercialização do feriado.



    Mais: , | Por: Sandra Melo