10 curiosidades sobre o Carnaval

Vamos regressar à Origem do Carnaval para voltar a milhares de anos atrás e assim traçar os seus primórdios e como evoluiu para moldar os melhores carnavais do mundo a partir da atualidade. O carnaval provavelmente é comemorado na sua cidade ou bairro, no entanto temos certeza de que ainda temos muito a descobrir sobre essa festa milenar. É por isso que hoje trazemos para si cerca de 10 curiosidades do carnaval que certamente o irão surpreender.

 

1. Qual é a origem da palavra Carnaval?

A palavra carnaval vem da palavra italiana carnevale, de carne (carne) e levare (retirar). Refere-se às grandes festas da carne que eram realizadas na Idade Média antes da Quaresma: um período religioso em que a carne não podia ser comida. Existe também outra teoria que diz que a origem da palavra deriva das celebrações egípcias chamadas carrus navalis.

Seja como for, a expressão refere-se a dizer adeus à carne, dada a abstinência e o jejum da Quaresma, pelo que esta festa procura satisfazer todas as necessidades da carne para a tirar da mente e dedicar-nos ao espírito.

 

2. A Ásia é o único continente sem Carnaval

Parte das curiosidades do carnaval é que não existe um número exato de quantas cidades ou países celebram o carnaval no mundo. No entanto, sabemos que todos os países ocidentais da Europa e América, juntamente com alguns da África e da Oceania, celebram este festival e, sem a intenção inicial, concorrem para oferecer as melhores atrações aos moradores e visitantes. O único continente onde o carnaval não é uma festa realmente importante (especialmente por causa dos seus costumes religiosos) é a Ásia.

Afirma-se que a Ásia é o único continente sem Carnaval. Porém acreditamos que isso não seja totalmente verdade: o Japão celebra o chamado Awa Odori. É uma das mais antigas, embora não seja realizada em Fevereiro, mas em Agosto.

 

3. Qual é o melhor local para passar o Carnaval?

Embora cada forma de celebrar o carnaval seja única e digna de ser apreciada, entre as curiosidades carnavalescas contamos que considerados os melhores carnavais do mundo são os do Rio de Janeiro (Brasil), Veneza (Itália), Tenerife (Espanha), Binche (Bélgica), Mardi Gras em Nova Orleans (Estados Unidos), Cádiz (Espanha), Oruro (Bolívia), Viareggio (Itália), Notting Hill (Inglaterra) e Quebec (Canadá). Todas essas localidades têm a particularidade de receber mais de 1 milhão de visitantes durante o carnaval, alguns até 4 milhões (como o Rio de Janeiro).

 

4. Você sabe qual é o Carnaval mais antigo do mundo?

Existem opiniões diferentes, embora alguns afirmem que o mais antigo é o de Veneza e outros dizem que é o japonês Awa Odori. No entanto, existe outro carnaval na Europa Oriental que pode ser o carnaval mais antigo da Europa e do mundo. Estes são os festivais kukeri, que normalmente são realizados na Bulgária no final de Janeiro e ainda são realizados nos dias de hoje. Esses carnavais têm uma tradição de 4.000 anos, quando os trácios, ancestrais dos búlgaros, se vestiam para essas festividades. Os “kukeri”, ou seja, os jovens da aldeia, solteiros ou recém-casados, vestem-se com peles de animais, chocalhos, paus, fitas coloridas. Também usam máscaras de madeira para afastar os maus espíritos.

 

Carnaval de Veneza

5. Você já se perguntou por que nos disfarçamos no carnaval?

A razão mais “moderna” encontrada para essa questão (além daquelas pessoas que se disfarçam para os trabalhos ou danças que ocorrem no carnaval) é que, durante a Idade Média, a nobreza italiana usava disfarces e máscaras para proteger a sua identidade. Dessa forma, podiam descer para festejar com o povo, misturando-se com as demais classes sociais e aproveitar tranquilamente a devassidão.

 

  •  

    6. Existe um Deus do Carnaval?

    A resposta é sim. Falamos do deus Momo e ele é muito representado nos dias de hoje, geralmente na forma de uma boneca verde ou vermelha, gordinha e pequena para ser queimada na última noite. Momo é comemorado especialmente no Uruguai, Barranquilla, Panamá e Nice. Nos carnavais de Cádiz, a queima de Momo anuncia o fim do festival. Em São Sebastião o Deus Momo recolhe as chaves da cidade para iniciar o Carnaval na terça-feira gorda.

    7. Carnavais muito quentes

    Por que não apenas dizê-lo? Afirma-se que nos carnavais do Rio de Janeiro não é raro sair e praticar, sim. Tanto que o carnaval apresenta ao governo brasileiro muitos desafios e dificuldades. Nos anos anteriores, o Ministério da Saúde brasileiro entregou mais de 11 milhões de preservativos no Rio de Janeiro, Salvador e Recife durante o carnaval.

    Embora na atualidade as festas carnavalescas sejam habitualmente celebradas como palco de libertação e libertinagem antes do recolhimento até à Quaresma, a verdade é que a razão que se celebra por estas datas é porque já exsitiam festas pagãs nesta época que celebravam a transição do Inverno para a primavera, pedindo uma boa colheita para a próxima estação, como Saturnália romana, festas dionisíacas, entre outras. Isso também aconteceu na América e na África, o que explica a rápida adoção do Carnaval nessas culturas.

     

    8. Na Espanha, os carnavais costumam terminar com o “enterro da sardinha”

    De onde vem esse costume? Por que nos vestimos de luto e adoramos uma boa sardinha? Aparentemente, foi quando o rei Carlos III organizou uma festa na quarta-feira de cinzas para lembrar a todos que se abstivessem de comer carne durante a quarentena. De modo a garantir a presença de todos, organizou um grande banquete de sardinhas. Infelizmente, as sardinhas estavam podres e exalavam um cheiro horrível. Por isso, o rei ordenou que todos fossem enterrados e todos acompanhavam o enterro com risos e gozo. Afirma-se também que foi no século XIX, quando alguns estudantes de Madrid decidiram organizar um funeral da sardinha para simbolizar a chegada da Quaresma.

     

    9. De onde vêm as típicas máscaras venezianas?

    Estamos a falar daquelas máscaras venezianas com nariz comprido e em forma de bico. Parece que durante os anos da peste que atingiu Veneza, eram as máscaras usadas pelos médicos. Eles carregavam-nas assim para colocar lenços perfumados para os ajudar a superar o mau cheiro dos doentes.

    No entanto, uma das principais curiosidades do carnaval é que, embora esse tipo de festa seja milenar, considera-se que o berço do carnaval como o conhecemos hoje, com as suas máscaras, fantasias e danças, vem de Veneza com as suas festas medievais do século XI.

     

  •  

    10. As tentativas de proibir o Carnaval ao longo da história

    Uma das curiosidades carnavalescas menos conhecidas é que foram várias as ocasiões e os personagens que tentaram proibir a sua celebração ao longo da história. Exemplo disso foram as decisões dos reis Felipe II e Felipe IV da Espanha (embora as suas ordenações não tivessem um grande efeito) para “preservar a fé moral e católica”; assim como a ditadura de Franco do século XX na Espanha e a decisão que Napoleão tomou de conquistar Veneza no século XVIII por medo de sofrer um ataque. Hoje podemos dizer que não conseguiram.

     

  • Curiosidade bónus:

    O Carnaval de Santa Cruz detém um recorde do Guinness

    Em 1987, houve um concerto de Celia Cruz na Plaza de España, com a orquestra Billo’s Caracas Boys, com a presença de 250.000 pessoas. Isso foi registado no Guinness Book of Records como o maior encontro de pessoas numa praça ao ar livre para assistir a um concerto, até aos dias de hoje.



    Mais: , | Por: Raquel Valente