10 carros clássicos que agora são raros

Com a nova moda de SUVs e carros elétricos é obviamente algo para se empolgar, no entanto existe algo sobre um automóvel clássico (e aqueles ótimos anúncios de automóveis da velha escola) que definem a sua beleza ao longo dos tempos. Motores de combustão interna, transmissões manuais, designs atemporais, medidores analógicos e até mesmo a falta de confiança que os acompanha unem-se para um senso de caráter que não costumamos obter nas marcas mais recentes. Estas dez marcas de carros descontinuadas podem ter caído no esquecimento, porém elas têm um lugar especial em todos os corações de bombeamento de óleo que não podem ser substituídos por nada moderno.

  •  

    1. Saab – 900

    Existe muito para adorar um Saab, e lamentamos o fim da marca peculiar. Como um desdobramento da fabrico de aeronaves militares suecas, a Saab entregou o seu primeiro carro, o redondo mas aerodinâmico Saab 92, ao público em 1949. A empresa cresceu à medida que o 92 evoluiu para o 93, 95 e 96, contudo não ver o verdadeiro sucesso até ao seu primeiro grande redesenho em 1969 na forma do Saab 99. Tornou-se o carro que incorporaria a linguagem de design da Saab para o resto da sua vida. O sedan Saab 900 foi lançado em 1978 e tornou-se o carro mais bem-sucedido e icónico da marca, com 1 milhão de unidades construídas.

    O nariz comprido, o para-brisas vertical e o vidro traseiro recuado tornaram-se um dos designs mais reconhecidos na indústria, dando origem a um cupê conversível. A Saab nunca mais foi a mesma depois que a GM assumiu as rédeas e praticamente arruinou a marca Saab, tornando-a mais convencional e menos interessante. A Saab mudou de mãos algumas vezes antes de desistir do fantasma automotivo e pediu falência em 2011.

     

    2. Triumph Motor Company – TR6

    Pode não ser um nome tão popular, no entanto entre as construtoras que faliram, a Triumph Motor Company faz muita falta. O começo humilde da Triumph como construtora de bicicletas e motorizadas remonta à Triumph Cycle Company em 1897, e passou para os carros em 1930. Foi adquirida pela British Leyland Motor Company em 1960 e terminou meio século depois, porém a sua icónica escolha de cupês e roadsters movidos a motor ainda são adorados. O TR6 foi talvez a oferta conversível mais masculina da marca. O corpo projetado por Karmann foi um desvio notável do TR5 de aparência mais suave, apesar do facto de que muitas peças vieram do antecessor do TR6.

    Os piscas dianteiros e traseiros mais quadrados, assim como as rodas, pneus e faróis maiores, diferenciam-no dos TRs anteriores. Um seis cilindros em linha de 2,5 litros acoplado a uma transmissão manual de quatro velocidades com potência de cerca de 150 cavalos deu ao carro a sua potência. É muitas vezes considerado como o último dos tradicionais carros desportivos britânicos. Felizmente, você ainda pode encontrar alguns na estrada e à venda na Europa.

     

    3. Jensen Motors Limited – Interceptor

    Poucas pessoas conhecem a Jensen Motors na Europa, no entanto esta marca de carros antigos do Reino Unido tem credibilidade real nos círculos automotivos. Lançada em 1926 pelos irmãos Alan e Richard Jensen, a Jensen Motors Limited especializou-se em versões artesanais de carros convencionais, bem como na construção de autocarros para clientes ricos. Belos carros de dois lugares como o Jensen 541S Luxury GT e o Jensen-Healy roadster de dois lugares colocam a marca no mapa, contudo é a segunda versão do Jensen Interceptor que as pessoas mais se lembram, em grande parte por causa do ameaçador e fortemente modificado Interceptor Pursuit Especial nos filmes Mad Max.

    O Interceptor nunca foi vendido dessa forma, é claro, no entanto o formato do Interceptor e o motor V8 tornaram-no perfeito para a tela grande. Depois da saída dos irmãos Jensen em 1967, a empresa nunca mais foi a mesma.

     

    4. AMC – Eagle

    A AMC foi criada para enfrentar os três grandes de Detroit: Ford, GM e Chrysler. O que surgiu foi uma marca de nicho focada em modelos económicos, desportivos e ao ar livre que ainda são respeitados (o AMC Javelin AMX) e ridicularizados (Gremlin, Pacer) até aos dias de hoje. A marca também é responsável pelo que na época eram recursos experimentais, como assentos reclináveis e travões de disco dianteiros e traseiros, que hoje são padrões da indústria. O seu veículo mais icónico no seu estábulo foi facilmente o AMC Eagle, o primeiro crossover do mundo que saiu antes mesmo do termo crossover. A carrinha com tração às quatro rodas elevada forneceu aos compradores capacidade para todos os climas num veículo que conduzia como um carro convencional.

    O Eagle foi, na verdade, o primeiro veículo americano produzido em massa com tração às quatro rodas e teve o bónus adicional de uma suspensão dianteira independente. Com a sua grade de caixa de ovos, luzes de direção montadas no para-choque, para-lamas salientes e decoração opcional da carroceria em madeira falsa, ainda hoje tem uma condução perfeita. A marca terminou em 1988 e tornou-se a Jeep Eagle Corporation, fundindo-se assim com a Chrysler, uma das empresas com as quais deveria competir.

     

    5. Pontiac – GTO

    A Pontiac começou como uma divisão da GM em 1926 como uma companheira da linha Oakland de ponta, no entanto a Pontiac tornou-se a submarca mais popular e manteve-se logo abaixo da Buick e da Cadillac. Falhas abissais como o horrendo Aztek SUV e o carro desportivo Fiero com defeito serão para sempre queimados nas mentes dos conhecedores automotivos, contudo a lenda do muscle car que é o GTO é um ícone absoluto. Embora o nome tenha sido copiado do Ferrari 250 GTO (Gran Turiso Omologato), o GTO foi na verdade homologado para corridas como uma reflexão tardia.

    O muscle car de primeira geração é aquele que colocou o Pontiac GTO no mapa, no entanto é a cobiçada segunda geração que os colecionadores tanto desejam, ou seja, o 1970 GTO Judge Com o seu corpo liso, porém ainda musculoso e um 6.6 em expansão, V8 que era bom para 366 cavalos de potência. A marca ressuscitou a placa de identificação GTO em 2004, rebatizando um australiano Holden Monaro (parecendo um Chevy Cavalier esteroide). A marca foi morta em 2010, quando a produção terminou.

     

  •  

    6. DeLorean – DMC 12

    Quem não conhece o DeLorean? No panteão das marcas de automóveis extintas, esta é a que está no topo. Embora muitos fãs de carros tenham nascido após o lançamento do carro, o DMC-12 é reconhecido como um ícone automotivo graças ao filme de 1985 Regresso ao Futuro. John DeLorean, um ex-executivo da GM, pegou na sua empresa homónima e construiu o DMC-12 em aço inoxidável e deu-lhe portas de asa de gaivota, um motor montado no meio, airbags e outras inovações da indústria automobilística.

    Porém o DMC-12 foi mais rápido e mais atraente no filme do que na vida real. O DMC-12 foi um fracasso lamentável, e a empresa de John DeLorean faliu em 1985. O carro, no entanto, continua a ser uma lenda pela sua aparência de tela prateada, a sua aparência e design de ponta, e não pelo seu desempenho ou qualidade (ou falta dela).

     

    7. Hummer – H2

    O Hummer H1 é o veículo militar construído para civis, e Arnold Schwarzenegger assumiu grande parte do crédito por o tornar famoso. Originalmente conhecido como Humvee, o H1 tornou-se tão popular que deu origem aos modelos H2 e H3, duas versões que se tornaram progressivamente mais amigáveis ao consumidor e focadas no conforto, apesar das tendências off-road originais da marca. Devido aos crescentes aumentos do preço de combustível, segurança questionável do veículo e vendas fracas, a GM tentou vender a marca sem sucesso. A Hummer morreu em 2010, quando a produção do H3 terminou. Em 2021, a GMC reviveu o nome Hummer e começou a construir uma versão elétrica conhecida como Hummer EV.

    O H2 é a versão que preencheu a lacuna entre o veículo militar e o SUV civil confortável, graças à sua aparência refinada, maneiras fáceis de conduzir, maneiras off-road robustas e interior espaçoso. Embora partilhasse uma plataforma com o Suburban e o Tahoe, não havia nada parecido na estrada. O Hummer era tão icónico que a sua segunda chegada no EV é uma prova da sua impressão no mundo dos SUVs.

     

    8. Plymouth – Road Runner

    A Chrysler introduziu o Plymouth como uma alternativa de baixo custo para os seus outros carros. O seu design altivo e futurista manteve a marca forte nas décadas de 1950 e 1960, no entanto a “engenharia”, ou colocar o rótulo Plymouth noutros produtos da Chrysler, destruiu essa identidade na década de 1990. O Chrysler Prowler e o PT Cruiser foram planeados como Plymouths, uma maneira de recapturar um espírito antigo e original, no entanto a construção do Plymouth Road Runner foi encerrada antes do seu lançamento.

     

    9. Saturn – SW

    Quando a Saturn foi fundada em Spring Hill, Tennessee, foi chamada de “um novo tipo de empresa automobilística”. Era uma empresa privada de propriedade de funcionários que operava separadamente da GM e gozava de muito mais liberdade do que as outras divisões da GM. Os seus carros vendiam bem, mas não o suficiente. Outras divisões também ficaram ressentidas com o status único do Saturn SW. Em 2004, o arranjo único que Saturn tinha desfrutado foi dissolvido. Este foi provavelmente o fim para eles, em 2010, quando a GM estava a fechar divisões à esquerda e à direita, a Saturn viu-se no chão da sala de produção.

     

  •  

    10. Mercury – Grand Marquis

    O Mercury Grand Marquis era um carro de preço médio durante a sua introdução, projetado para ser um meio acessível entre os modelos mais baratos da Ford e a luxuosa linha Lincoln. Como as vendas a caírem em meados da década de 1940, A Lincoln e a Mercury fundiram-se. Os fiéis modelos Marquis e Grand Marquis foram excecionalmente populares da década de 1960 até a década de 2000, mas o envelhecimento e o estreitamento demográfico da Mercury acabaram por levar ao seu fim.



    Mais: , , | Por: Rita Ferraz