Os 10 vírus mais mortíferos do mundo

Marburg

1. Vírus Marburg

O vírus Marburg é o vírus mais mortífero do mundo. É semelhante ao Ébola, causando febre hemorrágica. O vírus Marburg começa por causar sangrentos das mucosas, pele, órgãos e provoca convulsões. É detetado quando o indivíduo começa a ter dores de cabeça, mialgia e um súbito ataque de febre depois de um período de incubação entre 5 a 10 dias. A taxa de mortalidade já atinge os 90 por cento.

 

Ébola

2. Ébola

Existem cerca de 5 variantes do vírus Ébola, sendo estes nomeados de: Zaire, Sudão, Floresta Tai, Bundibugyo e Reston. Nomes provenientes do continente Africano. O mais mortal é o conhecido vírus Ébola Zaire, sendo que, a sua taxa de mortalidade ronda os 90 por cento. Segundo cientistas este vírus espalha-se por raposas voadoras. Um dos problemas é que o vírus está-se a espalhar por a Guiné, Serra Leoa, Libéria e também na Nigéria.

 

Machupo

3. Vírus Machupo

O Machupo ou tifo preto, causa febres altas, perda de sangue e infeção. O vírus é transmitido através de roedores ou de pessoa para pessoa. O seu início é lento, começando por provocar mal-estar, dores musculares e articulares, dores de cabeça e febre. Na segunda fase começa a sangrar o nariz e furúnculos, após um período de incubação de 7 dias. A sua taxa de mortalidade varia entre os 5 e os 30 por cento.

 

H5N1

4. H5N1

O H5N1 é mais conhecido na gíria por a gripe das aves. Sempre que ouvimos falar dele nos media a sociedade fica alarmada. A verdade é que a probabilidade de um ser humano contrair a gripe das aves é bastantes baixa, mas é normal toda a preocupação porque a sua taxa de mortalidade ronda os 70 por cento.

 

Rio Hanta

5. Hantavírus

O seu nome provem do rio Hanta na Coreia do sul. Foi assim nomeado porque o vírus ficou conhecido quando soldados norte-americanos foram infetados durante a guerra da Coreia em 1950. Os seus sintomas conhecidos são: insuficiência renal, febre e doenças pulmonares. Este vírus pode ser transmitido por roedores, urina, fezes ou saliva. O seu tempo de incubação varia entre 2 a 4 semanas. Ainda não existe cura para o hantavírus (SPH).

 

 

Febre da Crimeia

6. Febre da Crimeia

A forma como se espalha é semelhante ao vírus Ébola ou o Marburg, sendo este transmitido através de carraças e carrapatos. Os seu sintomas são variados, sendo que pode surgir febre súbita, dores abdominais, vómitos, diarreia, aparecimento de hematomas e hemorragias nas mucosas. É um vírus altamente infeccioso. Este vírus já foi identificado em diversos pontos do globo como: Crimeia, Rússia, Bósnia-Herzegovina, Albânia, Bulgária, Iraque, Paquistão China, Africa do Sul e com mais manifestação na Crimeia. A sua taxa de mortalidade varia entre os dois e os 50 por cento.

 

Junin

7. Vírus Junin

Este vírus está associado a uma febre hemorrágica argentina. Os seus sintomas são inflamação dos tecidos, sépsia e hemorragias da pele. A grande questão é que os seus sintomas iniciais são semelhantes a várias outras doenças, o que faz com que seja muito difícil de identificar logo no início. Quando é diagnosticado já é uma fase tardia, sendo que se torna irreversível.

 

Lassa

8. Vírus de Lassa

Este é mais um vírus transmitido por roedores. O primeiro caso detetado foi na Nigeria, sendo que as suas ocorrências são mais comuns na África Ocidental. Estima-se que cerca de 15 por cento dos roedores desta área geográfica são portadores deste vírus. A contaminação pode ocorrer quando os indivíduos são expostos a excrementos dos roedores.

 

Floresta Kyasanur

9. Vírus da Floresta Kyasanur

Este vírus foi descoberto no sudoeste da Índia em 1955. Os seus sintomas são febres hemorrágicas, transmitidas por carrapatos no sul da Ásia. Este vírus é semelhante ao da febre amarela e ao dengue. Os seus portadores geralmente são roedores, suínos e aves.

 

 

Dengue

10. Dengue

Vírus transmitidos por mosquitos e todos os anos contamina entre 50 a 100 milhões de pessoas. Isto deve-se a férias em destinos como Tailândia ou Índia. Os seus sintomas são geralmente febre, dor de cabeça, dores musculares, erupções cutâneas, que no fundo são características semelhantes as do sarampo. Em alguns dos casos coloca as pessoas em riscos de vida.



Mais: , | Por: João Baganha