10 raças raras de cães das quais nunca ouviu falar

1. Kai Ken

Acredita-se que o Kai Ken (também chamado de Tiger Dog pelas distintas marcas tigradas em seu pêlo) seja a raça de cães mais antiga e rara do Japão. Eles se originaram de cães selvagens da montanha no distrito remoto de Kai e foram usados como cães de caça durante a maior parte de sua história. A raça não foi reconhecida no Japão até 1931 e era desconhecida no resto do mundo até o início dos anos 90. Em 1934, o Kai Ken foi premiado com um status de tesouro nacional no Japão e agora está protegido pela lei.

Sendo uma raça de caça, os Kais são muito inteligentes, atléticos, saudáveis e independentes. Eles abrigam facilmente e são bastante fáceis de treinar, embora exijam uma mão firme e boa socialização desde o nascimento. Eles fazem bons cães dentro de casa, felizes em morar em um apartamento, desde que eles possam caminhar e correr o suficiente em parques, jardins e na rua. No entanto, os Kais precisam ser mantidos na coleira – caso contrário, seus fortes instintos de caça irão dominá-los e levá-los em uma perseguição de presas.

2. Kooikerhondje

Esses pequenos cães do tipo Spaniel, originários da Holanda, costumavam ser populares por volta do século 17 e 18 (como evidenciado por sua presença em pinturas de Rembrandt e outros mestres), mas chegaram à beira da extinção após a Segunda Guerra Mundial. Graças aos esforços dos entusiastas, Kooikerhondje foram resgatados e estão ganhando reconhecimento novamente, embora a raça ainda não tenha sido reconhecida nos EUA ou no Canadá.

Os Kooikerhondje têm uma reputação de serem bem comportados, tranquilos e leais. Eles tendem a ser reservados com estranhos, mas acabam por ficar, aos poucos, amistosos e afetuosos quando gostam de alguém. Estes são cães bastante enérgicos, então é melhor que eles tenham muito espaço para correr, como um quintal cercado. Aviso: como a raça tem um pool genético pequeno, é propensa a certos distúrbios hereditários, em particular a doença de von Willebrand, mielopatia necrosante hereditária (ENM) e doenças oculares.

3. Löwchen

O Löwchen, ou Little Lion Dog, em certo momento teve o prazer duvidoso de ostentar o título de raça de cães mais rara do mundo: em 1971, havia apenas 65 exemplos registrados. No entanto, a história da raça pode ser rastreada desde o século XV. Pequenos cães, companheiros dos ricos e da elite, aparecem em muitas pinturas e obras de literatura da Renascença.

O Löwchen é um ótimo animal de estimação: amigável, brincalhão e inteligente, e, ao contrário de muitas outras raças de cães pequeninos, não é conhecido por ser um ladrador. Eles precisam de afeto e podem sofrer de ansiedade de separação se ficarem sozinhos por muito tempo. Eles também são bons com crianças e são excelentes animais de estimação para a família – é uma pena que a raça seja praticamente desconhecida.

4. Norwegian Lundehund

O Norwegian Lundehund é uma raça de cão pequeno do tipo Spitz que se origina da Noruega. Já no século XVI, esses cães foram usados para caçar papagaios ao longo da costa norueguesa. No entanto, o interesse pela raça desapareceu com a introdução de novos métodos de caça. Em algum momento havia apenas seis Lundehunds, mas graças a uma criação cuidadosa, a população cresceu gradualmente para 1.400 cães (em 2010).

Duas características distintas separam Lundehund de outros cães: seis dedos em suas patas ao invés dos quatro normais, e flexibilidade de junção aprimorada, ambos os quais são o que o torna tão bom em escalar penhascos. Na verdade, as articulações são tão flexíveis que o Lundehund tem a capacidade assustadora de inclinar a cabeça para trás até tocar a espinha. Do ponto de vista do temperamento, eles são corajosos, enérgicos e teimosos. Do ponto de vista de saúde, os Lundehunds tem poucos problemas, mas alguns sofrem de distúrbios digestivos.

5. Skye Terrier

Esta bola de pêlos adorável vem da Escócia (nomeadamente, da ilha de Skye). Houve um tempo em que esta raça costumava ser extremamente popular com a nobreza britânica: a rainha Vitória, em particular, era bastante entusiasta. De lá, a popularidade do Skye Terrier se espalhou pelo lago, e no final do século 19 – início do século 20, parecia que a raça estava bem no caminho para se tornar uma favorita universal. No entanto, isso nunca aconteceu e o interesse desapareceu gradualmente. Atualmente, o Skye terrier é considerado uma raça ameaçada de extinção que pode se extinguir em 40 anos.

Valentes, leais e curiosos, os Skye Terriers são ótimos para os donos adultos. Sua pelagem sedosa precisa de ser penteada regularmente, mas por outro lado eles são relativamente de baixa manutenção. Como muitos cães de pernas curtas, eles podem sofrer de doença degenerativa do disco. Saltos, escaladas e até longas caminhadas devem ser evitadas nos primeiros 8 a 10 meses de vida de um Skye Terrier, pois o exercício ativo pode prejudicar o crescimento ósseo e causar problemas mais tarde.

 

 

6. Berger Picard

Estes adoráveis cães de aparência desleixada são muito raros até mesmo na França – a terra onde eles vivem desde o século IX. Devido à sua aparência mutável, Berger Picard nunca conseguiu conquistar os corações da nobreza, e chegou perto da extinção. Como resultado das duas guerras mundiais, atualmente, existem apenas cerca de 3.500 desses cães na França.

O Berger Picard é um cão alegre e inteligente com uma teimosia que torna necessário o treinamento formal de obediência. Eles são cães pastores por natureza e bons cães de guarda por causa de seus instintos protetores desenvolvidos. Se não for exercitado regularmente, esses filhotes podem se voltar para o comportamento destrutivo por puro tédio, mas geralmente são calmos e de temperamento doce. O Berger Picard é uma raça saudável, embora a displasia no quadril possa ser um problema.

7. Kuvasz

Existem apenas algumas raças de cães conhecidas, cuja história pode ser rastreada desde o século IX. O Kuvasz é um deles. A história da raça remonta à tribo Magyar que conquistou o território da Hungria moderna em 896, trazendo consigo seus cães guardiões do gado. Os Kuvasz eram uma raça altamente valorizada na Hungria medieval e mantiveram-se populares em toda a história do país. No entanto, durante a Segunda Guerra Mundial, a raça foi quase completamente exterminada por causa de sua reputação como protetores ferozes. Segundo diferentes fontes, apenas doze a trinta cães em todo o país sobreviveram à guerra. Isso limitou severamente a criação, então o Kuvasz moderno provavelmente tem alguns traços genéticos de outras raças que foram usadas para reconstruí-lo.

O Kuvasz é um cão inteligente e independente, o que o torna adequado apenas para proprietários experientes. Treinamento de obediência é necessário para esta raça.

8. Lagotto Romagnolo

Outra raça de cães antigos e raros, desta vez originários da Itália. Seu nome significa literalmente “cão do lago da Romagna” (Romagna é um distrito na Itália), e sua finalidade tradicional é um retriever de água. Acredita-se que muitas raças modernas de retriever de água são parcialmente descendentes do Lagotto Romagnolo. Atualmente, no entanto, a raça é usada principalmente como cão de busca de trufas.

Os Lagottos são cães ativos e leais, embora nem todos sejam bons companheiros domésticos. Eles têm um tempo de vida bastante longo de cerca de 16 anos, mas podem sofrer de displasia no quadril e epilepsia associada a má reprodução.

9. Eurasier

Ao contrário da maioria das outras raças nesta lista, esta é uma raça nova. Originou-se na Alemanha em 1960, quando um grupo de entusiastas se propôs a criar uma raça com as melhores qualidades do Chow Chow e do Wolfspitz. O resultado “Wolf-Chow” foi posteriormente cruzado com o Samoieda e renomeado Eurasier.

Eurasiers são cães calmos e tranquilos, dignos e muito leais. Eles são reservados para estranhos e muito ligados à sua família, e é por isso que qualquer treinamento tem que ser realizado por um membro da família e não por um manipulador externo. Uma coisa importante a lembrar é que estes são cães de companhia. Eles precisam ficar perto de seus humanos e não serão felizes acorrentados, vivendo em um canil ou sendo usados como cães de guarda.

 

 

10. Glen of Imaal Terrier

O Glen of Imaal Terrier é uma raça de cão muito rara: neste momento existem apenas algumas centenas delas registradas. Eles teriam se originado durante os tempos de Elizabeth I e são os menos conhecidos dos terriers irlandeses. Um fato interessante é que, de acordo com a análise de DNA, o Glen of Imaal Terrier está mais relacionado aos Molosser (cães do tipo bulldog / mastiff / boxer) do que a outros Terrier.

Como todos os Terrier, os Glens são enérgicos, teimosos e destemidos. Ao contrário da maioria dos Terrier, eles não são ladrões. Eles são inteligentes e aprendem rápido, especialmente se liderados por uma mão firme. Os Glens são bons para as pessoas, embora possam ser agressivos para com outros cães. Um problema de saúde conhecido é a atrofia progressiva da retina, uma condição que gradualmente resulta em cegueira.



Mais: , , , , , , , | Por: prisca