10 melhores frases de Miguel Esteves Cardoso

Miguel Vicente Esteves Cardoso (nasceu em Lisboa, a 25 de Julho de 1955). É um crítico, jornalista e um brilhante escritor português.

Miguel Esteves Cardoso cresceu no seio de uma família da classe média-alta lisboeta. O pai, Joaquim Esteves Cardoso, de ascendência Judaica Sefardita, foi Oficial Capitão-de-Mar-e-Guerra da Marinha, Cavaleiro da Ordem Militar de Avis a 29 de Setembro de 1952 e Comendador da mesma Ordem a 4 de Outubro de 1961. A mãe, Hazel Diana Smith, era uma Inglesa radicada em Portugal, o que proporcionou a Miguel Esteves Cardoso tornar-se bilingue e lhe deu uma espécie de visão distanciada de Portugal e dos Portugueses. (Excerto de Wikipédia)

Aqui ficam 10 das melhores frases de Miguel Esteves Cardoso:

 

1. Sobre os Portugueses

Se os portugueses dormissem bem, não andávamos todos a dormir.

 

2. Sobre a Escrita

Escrever é uma maneira de pensar que não se consegue pelo pensamento apenas. Todos os constrangimentos sintáticos e gramaticais da escrita, em vez de nos reprimirem, levam-nos a encontrar frases que não existiam antes de serem escritas, que não podiam existir de outra forma.

 

3. Sobre o Amor

Sem um amor não vive ninguém. Pode ser um amor sem razão, sem morada, sem nome sequer. Mas tem de ser um amor. Não tem de ser lindo, impossível, inaugural. Apenas tem de ser verdadeiro.

 

4. Sobre a comida

A base de uma cultura gastronómica é sempre a pobreza – bem dizem os ingleses que a necessidade é a mãe da invenção. Ou alguma vez o nosso receituário de bacalhau seria tão rico como é se o bacalhau, durante séculos em que estimulou a criatividade caseira, estivesse ao preço que está hoje? Quem inventara as iscas se pudesse comer sempre bifes de lombo?

 

5. Sobre Portugal

Tem-se sempre, caso se seja português, saudade de qualquer coisa. O que é preciso ver é que Portugal está feito para que se tenha saudades dele. Propositadamente. Cientificamente. Tudo foi minuciosamente estudado para nos chatear de morte quando estamos cá e nos matar de saudades quando cá não estamos.

 

 

6. Sobre a amizade

A amizade, entre um homem e uma mulher, é (o leitor que escolha): um bico de obra; uma coisa muito linda; ainda mais complicado que o amor; absolutamente impossível; amizade da parte da mulher e astúcia da parte do homem; astúcia da parte da mulher. E amizade da parte do homem; só é possível se a mulher for forte e feia; impossível se homem for minimamente atraente; receita para a desgraça; prelúdio certo para o romance; indescritível; inenarrável; sempre desejável; o que Deus quiser; o diabo.

 

7. Sobre a mulher

Eu gostaria de viver num mundo construído exclusivamente por mulheres. Queria que as mulheres governassem, dessem ordens aos homens, mandassem, impusessem a sensibilidade delas aos problemas do mundo. Não haveria tantos desmandos nem tantas guerras. As artes floresciam. As mulheres têm mais juízo. Os homens são sonhadores e malucos. As mulheres são Benazhir Bhutto. Os homens são Saddam Hussein.

 

8. Sobre a felicidade

Para se ser feliz é preciso ser-se um bocado parvo. Eu, por exemplo, sou. A felicidade é inversamente proporcional a uma série de coisas de boa fama, como a sabedoria, a verdade e o amor. Quando se sabe muito, não se pode ser muito feliz. A verdade é quase sempre triste.

 

9. Sobre a infância

Os bebés são malcriados, preguiçosos e egoístas e “safam-se”. É evidente. Não é justo, mas é evidente. Safam-se porque são lindos de morrer. Quando forem crescidos, vão ter de escrever sonetos, passar exames, comprar flores, escolher vinhos, esforçar-se.

 

 

10. Sobre o sofrimento

Como é que eu faço para estar bem disposto, encontrando-me na verdade tão triste e miserável como vocês todos? Há várias técnicas. A mais importante é a técnica do “proporcinamento”. Consiste em atribuir a um dado problema pessoal a proporção que tem no mundo. Há tanta gente a sofrer de verdade, a morrer, de fome, de doenças, de terramotos, que o nosso sofrimento, quando é publicamente exibido, é pequenino e obsceno.

Frases de Miguel Esteves Cardoso



Mais: , | Por: João Baganha