10 jogadores históricos da Argentina

Melhores Jogadores Argentinos

Uma vez que se encontra a decorrer os oitavos de final do Mundial de Futebol de 2018 a realizar na Rússia, o melhor de 10 resolve apresentar uma selecção de 10 jogadores, que considera os melhores, das 16 selecções que se encontram a disputar os oitavos de final da competição. Como tal aqui vai a selecção de craques da selecção alvi-celeste (Argentina).

 

1. Alfredo Di Stefano

Di Stefano

Alfredo Stéfano Di Stéfano Laulhé (Buenos Aires, 4 de julho de 1926 — Madrid, 7 de julho de 2014) foi um futebolista e treinador argentino, que, além de ter jogado pela Seleção Argentina, jogou também pela Seleção Espanhola. É considerado um dos maiores futebolistas de todos os tempos.

Era considerado um jogador brilhante, um dos melhores de todos os tempos para a imprensa mundial. Devido À sua velocidade e cor loira do cabelo foi-lhe dada a alcunha de “La Saeta Rubia” (“A Flecha Loira”).

Di Stéfano defendeu três seleções diferentes. Pela Argentina jogou pouco: seis partidas, todas no ano de 1947 (ano em que despontara no River Plate), pelo Campeonato Sul-Americano (precursor da Copa América) de Seleções. Marcou seis golos, mesmo com o técnico Guillermo Stábile, que no ano anterior o treinara no Huracán – onde o desempenho de Di Stéfano convencera o River, que havia lhe emprestado, a tê-lo de volta -, a não o considerar como titular na vitoriosa campanha.

Di Stefano jogou grande parte da sua carreira, no Real Madrid (1953-1964) onde marcou 307 golos em 396 jogos, onde viria a formar um trio temível com o Espanhol Gento e o Húngaro Puskas. Foi também responsável por levar o Real Madrid a vencer 5 Taças dos Campeões Europeus seguidas entre 1955-1960.

 

 

2. Diego Armando Maradona

Diego Armando Maradona

Diego Armando Maradona Franco (Lanús, 30 de outubro de 1960) é um treinador e ex-futebolista argentino que jogou como médio ofensivo ou avançado.

Considerado um dos maiores, mais famosos e mais polêmicos jogadores do século 20, diversas personalidades e organizações reconhecem-no como um dos melhores jogadores da história do futebol e dos mundiais.

Reunia inteligência, vontade e talento, com dribles, habilidade para mudar drasticamente sua velocidade e dar giros surpreendentes.

Enquanto jogador, Maradona foi considerado como um Deus no seu país natal, tendo sido, mesmo criada uma igreja dedicada a ele.

A sua maior participaçao pela Selecção Argentina foi na Copa do Mundo de 1986, que na opinião popular foi ganha inteiramente por El Pibe de Oro, outra de suas muitas alcunhas.

Maradona também foi considerado um herói da equipa  italiana do Nápoles, clube que com ele viveu momentos de glória no final da década de 1980, ganhando os seus dois únicos títulos no campeonato italiano e lutando de igual para igual com os maiores clubes do país.

Para além do Napóles, clube que jogou a maior parte da sua carreira (1984-1991), também actuou em Espanha no Barcelona (1982-1984) e no Sevilha (1992-1993). Na sua terra Natal representou o Argentinos Juniors, o Newells old Boys e o Boca Juniors, clube onde terminou a carreira.

 

 

3. Jorge Burruchaga

Burruchaga - Argentina

Jorge Luis Burruchaga (Gualeguay, Provincia de Entre Ríos, Argentina, 9 de Outubro de 1962), é um ex medio ofensivo e avançado .

Com a Seleccão Argentina ganhou um campeonato do Mundo de Futebol em 1986 e foi vice campeão mundial em 1990

Jogou pelo Independiente e ganhou a Taça dos Libertadores em 1984, a taça intercontinental do mesmo ano e a Supertaça Sul-Americana de 1995.

Para além de ter jogado no futebol argentino, também jogou em França no Nantes, onde fez 140 jogos, tendo marcado 27 golos. também jogou, ainda que menos tempo, no Valenciennes (32 jogos e 10 golos)

 

 

4. Daniel Passarella

Daniel Passarella - Argentina

Daniel Alberto Passarella (Chacabuco, 25 de maio de 1953) é um ex-futebolista argentino que também exerceu a função de técnico. Considerado o melhor defesa produzido pelo futebol argentino.
Apesar da estatura considerada baixa para a sua posição (1,76 m),[1] sabia cobrir a defesa devido à sua grande impulsão. O seu forte jogo aéreo também lhe possibilitou marcar muitos golos de cabeça. É o segundo defesa que marcou mais golos na história, sendo superado apenas por Ronald Koeman). Marcou 22 golos pela Argentina, 99 pelo River Plate e 35 no duro futebol italiano, quando alinhou pela Fiorentina.

Passarella também era veloz, cobrava faltas muito bem, era ótimo no desarme e realizava lançamentos longos precisos para contra-ataques.

Além de ser o único jogador bicampeão mundial da Seleção Argentina (estava nos elencos das Copas do Mundo de 1978, erguida por ele como capitão, e 1986), é também um idolo dos adeptos do River Plate, clube que jogou durante 9 anos.

 

 

5. Osvaldo Ardiles

Osvaldo Ardiles - Argentina

Osvaldo César Ardiles (Córdoba, 3 de agosto de 1952) é um ex-futebolista, atualmente treinador de futebol argentino.

Representou a Selecção Argentina de Futebol em 53 jogos, tendo feito 8 golos. Baixo, magro, o seu estilo de futebol era clássico, jogando sempre de cabeça em pé, distribuindo passes com maestria.

Foi campeão da Copa do Mundo de 1978, pela Argentina. Disputou também a Copa do Mundo de 1982.

Posteriormente, transferiu-se para o Tottenham Hotspur, da Inglaterra, juntamente com seu compatriota Villas, tornando-se um ídolo dos Spurs, apesar da Guerra das Malvinas ter estourado durante sua estadia no clube.
 

 

 

6. Mario Kempes

Mario Kempes - Argentina

Mario Alberto Kempes Chiodi (Bell Ville, em 15 de julho de 1954), mais conhecido como Mario Kempes, é um ex-futebolista argentino que jogou como avançado.

Destacou-se como o decisivo condutor da Seleção Argentina no primeiro título desta na Copa do Mundo, na edição de 1978, realizada na própria Argentina.
Em clubes, foi o grande idolo dos adeptos do Rosario Central da Argentina e, principalmente no Valencia de Espanha, onde exibiu as suas famosas arrancas fulminantes em direção ao golo, correr em velocidade com a bola dominada, grande noção de posicionamento na grande área e remates certeiros de média distância, além do instinto de golo que lhe fez ser duas vezes melhor marcador em cada uma dessas equipes.

Foi também escolhido como o melhor avançado/ponta de lança da história do Valencia pelo jornal Marca.

 

 

7. Gabriel Batistuta

Gabriel Batistuta - Argentina
Gabriel Omar Batistuta ou simplesmente Batistuta (Reconquista, 1 de fevereiro de 1969) é um ex-futebolista argentino que atuava como avançado/ponta de lança.

Batistuta era um grande cabeceador, chutava forte com as duas pernas, tinha uma ótima arrancada e caracterizava-se também pela sua raça e oportunismo, e um certo individualismo. Teve o seu auge no futebol italiano, tanto na Fiorentina como na Roma. É o segundo maior goleador da história da Selecção Argentina, com 56 golos em 78 partidas.

Estreou-se na selecção Argentina em 1991, disputando a Copa América em que foi o melhor marcador da competição com 6 golos. No ano seguinte ganhou a taça da confederações e em 1993 volta a ganhar a Copa América. Também participou no Campeonato do Mundo de 1994 realizado nos Estados Unidos, juntamente com Maradona, e outros craques como Cannigia e Redondo. Porém não conseguiu passar da fase de grupos nesta competição. A sua ultima participação em Copas do Mundo foi em 1998 na França, em que perdeu nos quartos de final com a Holanda, tendo contudo ainda marcado 5 golos, ficando como segundo melhor marcador da competição.

 

 

8. Diego Simeone

Diego Simeone - Argentina
Diego Pablo Simeone (Buenos Aires, 28 de abril de 1970) é um treinador e ex-futebolista argentino que actuou como médio. Atualmente é treinador do Atlético de Madrid.
Apresenta 106 internacionalizações pela Seleção Argentina, tendo estreado na mesma em 1988, na partida Austrália 4-1 Argentina.
Com a selecção ganhou duas Copas América, uma Copa das Confederações, uma Copa Artemio Franchi, e uma medalha de prata, nos Jogos Olimpicos de Atlanta 1996. Marcou 11 golos e participou em três Copas do Mundo: 1994, 1998 e 2002.
Jogou em diversos clubes Europeus, para além dos clubes Argentinos Vélez Sársfield, onde iniciou a carreira e o Racing onde terminou. Na Europa jogou grande parte da sua carreira no Atlético de Madrid, passando ainda em Espanha pelo Sevilha. Em Itália alinhou pelo Pisa, Inter de Milão e Lázio de Roma, onde conseguiu ganhar 4 títulos na época 1999/2000 (Campeonato, Supertaça Europeia, Supertaça Italiana e Taça de Itália).

 

 

9. Juan Sebastian Véron

Juan Véron - Argentina

Juan Sebastián Verón, mais conhecido como Verón (La Plata, 9 de março de 1975),[2] é um ex-futebolista argentino que jogava como médio e médio ofensivo.

É conhecido na Argentina como La Brujita (“A Bruxinha”). O apelido é o diminutivo da alcunha de seu pai, o ex-jogador Juan Ramón Verón, conhecido como La Bruja (“A Bruxa”). É tido por muitos como um dos maiores médios ofensivos da história do futebol mundial, devido aos seus passes precisos e enorme visão de jogo.

Pela Selecção Argentina de Futebol jogou os Mundiais de 1998 e 2002. Perdeu espaço com José Pekerman e foi uma das estrelas nao convocadas para a Copa do Mundo de 2006, juntamente com os seus colegas do Inter de Milão, Javier Zanetti e Walter Samuel. Voltou a defender o país sob o comando de Alfio Basile, participando da sua primeira Copa América em 2007.

Após o sucesso com o Estudiantes de La Plata, Verón reconquistou seu espaço na seleção nacional, sob comando de Diego Maradona, jogando nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, torneio para o qual também foi convocado.

Em 27 de agosto de 2010, depois da eliminação da Argentina na Copa 2010, Véron anuncia a sua retirada da selecção.

 

 

 

10. Lionel Messi

Messi - Barcelona Argentina

Lionel Andrés Messi Cuccittini (Rosário, 24 de junho de 1987) é um futebolista argentino que joga como avançado. Atualmente defende o Barcelona e a Selecção Argentina.

Na opinião da grande maioria dos especialistas de Desporto, a sua qualidade técnica, jogadas, velocidade, habilidade na perna esquerda, trabalho de equipa e extraordinária capacidade de golo, tornam-no um dos melhores futebolistas do mundo atualmente, sendo já comparado aos grandes nomes da história do futebol, como Pelé, Tostão, Garrincha, Di Stéfano, Maradona, Puskás ou Cruijff

Os êxitos alcançados com a camisola do Barcelona levaram-no a vencer 5 vezes (2009, 2010, 2011, 2012 e 2015) o Ballon d’Or, oferecido pela revista francesa especializada France Football, a mais tradicional prémio do futebol mundial,

Em marco de 2012, com apenas 24 anos, Messi tornou-se o melhor marcador da história do Barcelona, superando o ídolo do clube catalão das décadas de 1940 e 1950, César Rodríguez.

Começou a jogar pela Selecção Argentina, no campeonato mundial de Sub-20 em 2005, que ganhou. No ano seguinte participou com apenas 19 anos na Copa do Mundo da Alemanha e em 2007 participou na Copa América, tendo terminado em 2º lugar nesta competição, ganha pelo Brasil. Participou ainda no Campeonato do Mundo de 2010, onde teve, porém, uma exibição mais apagada, e em 2014 foi vice campeão do mundo no Brasil. No ano de 2015 viria a ser igualmente vice-campeão na Copa América, perdida na final para o Chile.
 



Mais: , , , | Por: Mário Rocha