10 frases célebres do empresário Belmiro de Azevedo

Belmiro de Azevedo

Belmiro de Azevedo um dos homens mais ricos de Portugal, deixou-nos esta quarta-feira aos 79 anos de idade. CEO da empresa Sonae. Foi um homem polémico e marcante por dizer aquilo que pensava sobre como ter sucesso, na vida, no emprego, nas finanças e nos negócios. Belmiro de Azevedo defendia por exemplo a mão-de-obra barata, afirmando que se assim não fosse não haveria emprego para ninguém.

O empresário defendia também a alta competição entre funcionários, para produzirem mais e melhor. Na sua visão só assim Portugal poderá com potências externas que têm muito maior produtividade que Portugal. Destacou-se entre os demais pois olhou sempre lá fora os melhores exemplos para aplicar em Portugal. Afirmando “É tudo navegação à vista” com esta frase referia-se a Portugal não ter uma estrutura de avaliação empresarial. As empresas não sabem olhar para o futuro, manterem-se sustentáveis durante décadas, atualizarem-se perante a evolução dos mercados.

 

 

Aqui ficam 10 frases marcantes de Belmiro de Azevedo:

1. Sem “mão-de-obra barata não há emprego para ninguém”

2. “Sou exigente para os mandriões”

3. Os bancos só emprestam dinheiro quando têm a certeza de não correr riscos.

4. Ninguém deve ficar no primeiro emprego e todos devem ter preocupações estratégicas quanto ao empregador, mais de longo prazo e menos de curto prazo.

5. A vantagem permanece sempre do lado do atacante e devemos, por vezes, ter a coragem de voltar as costas ao passado, para atacar a concorrência (e a nós próprios, se for necessário) com um novo produto.

6. O conhecimento é, hoje, a vantagem competitiva fundamental.

7. A criatividade nasce do desejo de fazer coisas diferentes, de ser rebelde em relação ao status quo, de apostar em situações inovadoras. Não apenas de sistematicamente se estar em oposição, que pode ser insubordinação.

8. Na hora de tomar decisões é preciso gostar, acreditar.

9. O salário que ganho chega e sobra para aquilo que preciso. Costumo dizer que a diferença entre o nascer e morrer é um fatinho e um par de sapatos. As pessoas esquecem-se disso. Mas não levam nada. Os egípcios é que metiam nos túmulos muitas jóias.

10. A posse do dinheiro cria a obrigação de o investir bem, de criar emprego. Eu sinto-me um feitor, um curador, desse dinheiro. O dinheiro não vai com as pessoas para nenhum sítio. E, às vezes, até complica, criando problemas de sucessão.



Mais: , | Por: João Baganha