10 coisas que temos de saber sobre o artigo 11

1. O que o Artigo 11 pretende alcançar?

Ultimamente temos assistido a uma grande indignação sobre o artigo 11. Mas qual é a intenção, quando descrita pelos defensores de qualquer forma, é bastante benigna. O Artigo 11 simplesmente dá aos editores o direito de solicitar licenças pagas quando as suas notícias são partilhadas por plataformas on-line.

 

2. Quem perde e quem ganha com Artigo 11?

As medidas tentam corrigir um desequilíbrio no âmago da Web contemporânea ou Web 2.0, como desejarem chamar. Grandes plataformas como o Facebook e o Google ganham enormes quantias de dinheiro fornecendo o acesso a material feito por outras pessoas, enquanto os que fazem o conteúdo (como música, filmes, livros, jornalismo, entre outros) obtém uma quantia cada vez menor do “bolo”.

Nem todos os envolvidos na indústria criativa estão a reclamar disso, obviamente. Ele beneficiou muitas pessoas e muitos utilizadores da Internet. Mas é óbvio que a Web moderna, apoiada por anúncios, tornou as empresas de Silicon Valley extremamente ricas, ao mesmo tempo em que bombardearam a receita noutras indústrias. A diretiva de direitos de autor deve nivelar o cenário atual.

 

3. Como será aplicado o Artigo 11

O Artigo 11 é o chamado de “imposto sobre o link”, o que dá aos editores o direito de solicitar licenças pagas quando as plataformas on-line partilham as suas histórias. O alvo óbvio são os agregadores como o Google News (por exemplo), mas os oponentes temem que a lei possa ter aplicações mais amplas.

 

4. Como será implementado o Artigo 11?

Algumas interpretações extremas sugerem que isso pode até impedir que os utilizadores comuns da Web partilhem novas histórias, mas o texto do Artigo 11 isenta os indivíduos. Ele diz que os novos direitos concedidos aos editores “não impedirão o uso legítimo, privado e não comercial, de publicações de imprensa por utilizadores individuais”. (Você pode ler a versão emendada do Artigo 11 deste documento na página 54.)

5. Como vai ser aplicado o Artigo 11?

No entanto, não está claro o que conta como uma plataforma comercial. Como será aplicado o artigo 11 a blogs ou feeds RSS que agregam manchetes da mesma maneira que o Google News? Que tal uma página no Facebook operada por um indivíduo que também tem um enorme público?
“Os sites de notícias podem ser cobrados por vincular a cobertura uns aos outros?”

 

 

6. Como sabemos se o conteúdo é pago?

Há também a questão do que conta como partilhar uma história. Uma emenda adicionada à diretiva na votação de ontem diz que meros hiperlinks não podem ser tributados, nem podem “palavras individuais”. Mas quantas palavras são essas? Quando palavras individuais suficientes se tornam num conteúdo pago?

Como é comum com a diretiva de direitos de autor, é difícil saber o que está a ser questionado. Julia Reda, eurodeputada do Partido Pirata, é uma das principais críticas da diretiva, diz que não é clara o suficiente. “Essa exceção de hiperlink não funciona on-line porque ninguém clica num URL que não inclui uma breve descrição do link”, afirma Reda.

 

7. Qual o impacto do Artigo 11?

Os críticos também observam que as versões nacionais dessa lei não costumam funcionar. Na Espanha, por exemplo, em 2014, foi aprovada uma lei que obrigava os editores a cobrar aos agregadores de notícias a partilha. A Google reagiu logo ao fechar o Google News em Espanha; os agregadores locais não podiam pagar as taxas e entraram em colapso; e o tráfego geral de navegação entre sites caiu até 15%. Uma lei de participação semelhante foi aprovada na Alemanha em 2013. A Google reagiu logo ao retirar sites que não permitiam que o seu conteúdo fosse partilhado de graça e, novamente, o tráfego caiu e os editores dobraram o joelho.

 

8. Quanto tempo vão durar os direitos de autor?

Na versão original da diretiva, os direitos deste artigo deveriam durar 20 anos e seriam retroativos. No entanto, esse compromisso reduz o prazo para 5 anos e os direitos não são mais retroativos. Ainda assim, o termo parece muito discutível, já que a maior parte da agregação e vinculação de um artigo ocorre em semanas, não em anos, de publicação.

9. A quem serão aplicadas as regras do Artigo 11?

As novas regras só se aplicam a trabalhos de “publicações de imprensa”, que são definidas como “uma fixação por editores ou agências de notícias de uma coleção de obras literárias de natureza jornalística” e especificamente não inclui revistas académicas e científicas. A maioria dos sites não se qualifica porque, embora a lei permita que a publicação ocorra em qualquer meio, ela exige “responsabilidade editorial e controlo por um provedor de serviços”.

 

 

10. Como os autores vão receber os seus lucros?

No último parágrafo simplesmente exige que os estados membros se certifiquem de que os autores recebam uma “parcela apropriada” da receita gerada por esse novo direito. No entanto, os detalhes são deixados para os estados individuais.



Mais: , | Por: João Baganha